Prémio Camões

Germano Almeida "surpreendido" e "muito feliz"

Germano Almeida "surpreendido" e "muito feliz"

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida, distinguido com o Prémio Camões, afirmou-se hoje "surpreendido", mas "muito feliz" por constatar que o seu trabalho é apreciado a ponto de receber o galardão maior da língua portuguesa.

"Estou contente, muito feliz por saber que o que escrevo é apreciado ao ponto de me darem um prémio tão prestigiado como o Camões", disse Germano Almeida em declarações à agência Lusa, por telefone, a partir da sua residência, na cidade cabo-verdiana do Mindelo.

O escritor mostrou-se surpreendido com a distinção por considerar que "existem muitos escritores que merecem o prémio tanto ou mais" do que ele.

Para Germano Almeida, o segundo cabo-verdiano a receber o Prémio Camões, depois do poeta Arménio Vieira, este galardão representa "o reconhecimento do esforço e do trabalho" que vem desenvolvendo há anos como escritor.

O autor de livros como "Eva", "O Testamento do Sr. Napomuceno da Silva Araújo" ou "Do Monte Cara vê-se o Mundo" considerou ainda importante a componente financeira do prémio "para um escritor que publica em Cabo Verde e em Portugal, onde os livros são mal vendidos e os escritores dolorosamente mal pagos".

Germano Almeida foi hoje anunciado como o vencedor do Prémio Camões 2018, após reunião do júri, no Hotel Tivoli, em Lisboa.

Com a sua atribuição, é prestada anualmente uma homenagem à literatura em português, recaindo a escolha num escritor cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento "do património literário e cultural da língua comum", segundo o protocolo estabelecido entre Portugal e o Brasil, assinado em junho de 1988, que instituiu o prémio.

"Com este prémio, pretende-se ainda estreitar e desenvolver os laços culturais entre toda a comunidade lusófona, pelo que a este evento se associam os outros Estados de língua oficial portuguesa", sublinhou o comunicado do Ministério da Cultura, que anunciou a entrega do galardão.

O Prémio Camões foi atribuído pela primeira vez em 1989, ao escritor português Miguel Torga e, na mais recente edição, em 2017, foi entregue ao poeta Manuel Alegre.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG