Cinema

IndieLisboa 2021 vai mostrar quase todo o cinema de Sarah Maldoror

IndieLisboa 2021 vai mostrar quase todo o cinema de Sarah Maldoror

Festival Internacional de Cinema marcado para a primavera apresenta obra de realizadora francesa falecida em 2020.

Sarah Maldoror "deixou um legado de filmes que refletem as questões que atravessaram toda a sua vida e pensamento: das guerras coloniais ao movimento da negritude, passando pelos retratos de artistas que influenciaram a sua criação", sustenta o festival.

Depois de uma edição atípica em 2020, realizada em finais de agosto por causa da pandemia covid-19, o IndieLisboa quer retomar o calendário habitual, com a 18.ª edição agendada para 29 de abril e 9 de maio.

A primeira programação anunciada é uma retrospetiva, "plena de revolução e de esperança", do cinema de Sarah Maldoror, que o IndieLisboa exibirá com a Cinemateca Portuguesa.

O festival sublinha que esta é uma retrospetiva "quase integral", porque alguns dos filmes de Sarah Maldoror "permanecem ainda por localizar".

Filha de pai antilhano e mãe francesa, Sarah Ducados nasceu em 1929 em França e morreu a 13 de abril de 2020, aos 90 anos. Maldoror foi o apelido que escolheu enquanto artista, em homenagem ao poeta surrealista Lautréamont, autor dos "Cantos de Maldoror".

A carreira de Sarah Maldoror começou pelo teatro, tendo fundado, em 1956, a companhia Les Griots, pioneira por incluir atores africanos e afro-caribenhos, e por ter dado a conhecer artistas e escritores negros.

PUB

O primeiro filme de Sarah Maldoror, a curta-metragem "Monangambé", data de 1959 e é uma adaptação do conto "O fato completo de Lucas Matesso", do escritor angolano José Luandino Vieira.

Mais tarde, em 1972, seria "A vida verdadeira de Domingos Xavier", de Luandino Vieira, a inspirar a longa-metragem "Sambizanga", considerada uma das maiores obras do cinema africano.

Filmada no Congo, "Sambizanga" aborda a guerra colonial portuguesa, desde o início, em Angola, e teve como coargumentista o sociólogo e poeta Mário Pinto de Andrade, fundador e primeiro presidente do Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA), e companheiro da cineasta.

O filme fala de uma mulher que procura o marido, preso pela polícia política, e toma o nome do bairro operário Sambizanga, de Luanda, no qual se localizava a prisão do regime colonial, cujo assalto, em 1961, desencadeia a luta armada pela independência, contra a ditadura.

Com esta obra, Sarah Maldoror "abriu caminho para que fosse mostrada a guerra de libertação de Angola pela perspetiva da mulher", escreveu a investigadora americana Beti Ellerson, fundadora do Centre for the Study and Research of African Women in Cinema.

A formação de Sarah Maldoror em cinema foi feita em Moscovo, para onde se tinha mudado em 1961, para frequentar a Academia de Cinema de Moscovo, com bolsas concedidas na Guiné Conacri, tendo trabalhado com o cineasta senegalês Ousmane Sembène, precursor do cinema africano.

"Depois desta estadia soviética junta-se aos pioneiros dos movimentos de libertação africanos, na Guiné, Argélia e Guiné-Bissau, ao lado do seu companheiro Mário Pinto de Andrade", recordaram as filhas da cineasta, aquando da morte.

O cinema de Sarah Maldoror teve por palco a Guiné-Bissau e o Sahel, a Ilha do Fogo (Cabo Verde), a Tunísia, o Senegal, abordando o racismo, questões de género, o papel da mulher na luta pela libertação e o património cultural africano.

A sua cinematografia inclui documentários como "Máscara das palavras", dedicado ao poeta Aimé Césaire, e ao líder senegalês Leopold Senghor, poeta da negritude e membro da Academia Francesa.

Sarah Maldoror foi a cineasta homenageada no primeiro FIC Luanda (Festival Internacional de Cinema), em 2008 e, nessa altura, pôde revisitar Angola, país que ocupou grande parte da sua obra.

Em 2011, o Cine Lumière de Londres, sala do Instituto Francês na capital britânica, exibiu as primeiras obras de Maldoror, com a presença da cineasta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG