O Jogo ao Vivo

Literatura

Correntes D'Escritas promete em 2019 "a maior edição de sempre"

Correntes D'Escritas promete em 2019 "a maior edição de sempre"

Com um número recorde de participantes (140) e de dias (9), a 20ª edição do festival literário Correntes D'Escritas será a "maior de sempre", garante a organização. Marcelo Rebelo de Sousa preside à cerimónia de abertura, no dia 19 de fevereiro.

Vários vencedores de Prémios Camões, Saramago e Cervantes fazem parte do rol de convidados daquele que é considerado por muitos o maior festival literário português,. Lídia Jorge, Afonso Cruz, Mário Cláudio, Gonçalo M. Tavares, os espanhóis Carmen Posadas e Manuel Rivas, a cubana Karla Suarez e a brasileira Nelida Piñon são apenas alguns dos muitos destaques da lista de convidados.

Além de escritores, o "Correntes" volta a convocar uma série de convidados de outras áreas, como são os casos do fotógrafo Daniel Mordzinski ou dos artistas Amélia Muge, Tó Trips e Uxía.

Já a partir do próximo dia 16 irão desenrolar-se várias atividades, com destaque para as ações de rua, mas a abertura oficial está marcada para dia 16, às 11 horas, no Casino da Póvoa, com a presença de Marcelo Rebelo de Sousa.

Momento sempre marcante no festival, a conferência de abertura estará desta vez a cargo de Jorge Carlos Fonseca, presidente da República de Cabo Verde que preside também à Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP. "As letras da língua e a mobilidade dos criadores na CPLP" é o tema da preleção.

Outra das cerimónias imprescindíveis é a da divulgação do vencedor do Prémio Literário Casino da Póvoa, Depois da vitória do romancista colombiano Juan Gabriel Vasquéz com "A forma das ruínas", será a vez de escolher uma obra de poesia.

O centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner vai ser assinalado de forma original: os títulos das mesas redondas são versos extraídos da obra da autora.

Na vasta programa paralela, realce para as exposições "O relógio da alma", fotografias de Ana Carvalho a partir de poemas de Fernando Pessoa, "Vidas de papel", retratos de Alex Gozblau, e "Que sais-je?", sobre livros e edições de artista.