Literatura

Dicionário agustiniano: citações e pensamentos

Dicionário agustiniano: citações e pensamentos

"Mais depressa perderei a memória e a vida do que a vontade de escrever" disse um dia a escritora portuguesa Agustina Bessa-Luís.

A - AMOR

"De todas as coisas, a menos suscetível de se comunicar é o amor; mas a fé no amor, essa age sempre com um conhecimento acessível a todos os homens".

B - BANALIDADE

"Mesmo nas criaturas mais triviais, há raros momentos de clarividência, e é sempre o sofrimento que os provoca".

C - CARÁTER

"Sou uma pessoa perigosa, na medida em que conheço profundamente a natureza humana. Não sou uma boa pessoa".

CASAMENTO

"Um casamento subsiste num delgadíssimo ponto de equilíbrio, de maneira que não se pode dizer que é exatamente amor, mas há, tem que haver, um estado de generosidade muito grande, sem intervenção da psicologia".

CONHECIMENTO

"As supostas grandes verdades dos intelectuais ou dos escritores nada me dizem".

CONSUMO

"Os supermercados são os palácios dos pobres".

CRENÇA

"Mais depressa perderei a memória e a vida do que a vontade de escrever".

CRIME

"O caráter de um país conhece-se pela qualidade dos seus criminosos".

D - DEMOCRACIA

"A sociedade esclavagista era mais afetuosa do que a nossa, os escravos eram mais bem tratados do que os cidadãos de hoje".

DESTINO

"Aqueles que não querem, não sabem, não podem fazer mais nada, esses é que são os escritores. Os outros que podem, e querem, e se interessam por outras coisas, não são".

DINHEIRO

"Gosto de dinheiro. Dá-nos liberdade para tanta coisa...".

E - ELOGIOS

"São o nosso maior inimigo O percurso de um escritor deve ser acidentado, pois teremos mais prazer ao ultrapassar os obstáculos que se nos deparam".

ESCRITA

"Escrever é isto: comover para desconvocar a angústia e aligeirar o medo, que é sempre experimentado nos povos como uma infusão de laboratório, cada vez mais sofisticada".

ESPANHÓIS

"Os espanhóis têm um sentido prático da vida, nós não".

F - FAMA

"Mais vale dizerem mal de nós do que não dizerem nada".

"A religião pressupõe um contrato. A fé tem a natureza solidária de Deus com os homens".

FIDELIDADE

"A fidelidade é a mais integral de todas as virtudes humanas. O homem participa numa batalha e, sem a fidelidade, não conhece a sua luta; apenas usa da violência, interpreta uma vontade, é instrumento de uma opinião".

FUTURO

"Cada vez mais, vamos ser condicionados pela utilização das máquinas".

G - GRANDEZA

"Há sempre qualquer espécie de grandeza em viver as coisas, há sempre mediocridade em classificá-las".

H - HOMEM

"O homem busca um sentido das coisas, e a mulher já o sabe. A mulher é a criadora, e o homem não é, portanto tenta substituir a falta de criação".

HUMANIDADE

"O maior mal da Humanidade é o excesso de bem".

HOMOSSEXUALIDADE

"Ao longo da vida conheci homossexuais brilhantes a nível intelectual que não eram capazes de encarar o casamento. Uma coisa são os homossexuais, outra são os maricas. Os maricas querem todas essas prerrogativas, como o casamento. Os homossexuais não... Todos devem ter os mesmos direitos, mas para isso não é preciso falar de casamento. Falar de casamento entre pessoas do mesmo sexo é distorcer o seu sentido".

I - IMORTALIDADE

"Não há melhor destino para uma obra do que ser apelidada de austera e difícil".

ISOLAMENTO

"A escrita isolou-me muito das pessoas que mais amava".

J - JUVENTUDE

"A nossa vida é a juventude servida com diversos condimentos. O que prevalece é o tempo da infância e da adolescência, pois é aí que o adulto vai buscar forças para viver"

L - LEITORES

"Não tenho qualquer necessidade de cumplicidade com o leitor. Escrevo o que tenho a escrever no momento, porque parto sempre do princípio que a literatura é um jogo de diversão".

LEMA

"Não me levo muito a sério. É a melhor maneira de viver. Aquele que se leva a sério está sempre numa situação de inferioridade perante a vida".

M - MODAS

"A literatura pop ou light vende muito, mas se perguntar a alguém daqui a uns anos se recorda esse livro a resposta vai ser provavelmente que não".

MEDO

"O medo faz parte das jazidas do inconsciente. É aquilo que nos acompanha, desde que perdemos a proteção de antes do nascimento, em que tudo é tranquilo".

N - NON-SENSE

"Não gosto do absurdo pelo absurdo, gosto de saber. Eu daria um óptimo polícia"

O - ORIGEM

"Uma coisa de que gosto é de descobrir a origem das palavras, ir até muito longe, ir até onde elas estão"

P - PERVERSIDADE

"A palavra perversidade acompanhou-me sempre. Todos somos perversos, a civilização é perversa, primeiro tenta adaptar-se à natureza e depois adestrá-la e ligar-se a ela de uma maneira perversa, mostrando a sua capacidade de a superar".

POESIA

"A poesia precisa de uma determinada candura. Se ela for muito elaborada, para mim já não é poesia".

PODER

"Tenho um grande fascínio pela tirania. Gostava de ser a Catarina da Rússia".

PROVINCIANISMO

"Os grandes escritores e os grandes governantes têm de ser provincianos. Tomam atitudes de liderança, de que não estamos à espera, para compensarem as nossas fraquezas".

PORTUGUESES

"O último homem sobre a terra terá de ser um português que duvida do que é natural e que se indisciplina perante a consumação dos séculos"

Q - QUALIDADE

"A minha maior qualidade é a paciência. Mas não é a paciência passiva, é a paciência condescendente e amável".

R - RETRATO

"Nasci velha mas vou morrer criança".

S - SABEDORIA

"Quanto mais sabedoria acumulamos mais nos distanciamos, então, do que realmente é essencial"

SANTANA LOPES

"É o homem do futuro, porque é o homem comum".

SIBILA

"Eu fui a intérprete. Ela é que foi a obra, Quem merece os aplausos é ela".

SUCESSO

"O escritor com maior sucesso (não de livraria, mas de indignação social profunda) é aquele que protege os homens do medo: por audácia, delírio, fantasia, piedade ou desfiguração".

T - TALENTO

"Uma linha é suficiente para reconhecer um escritor entre os demais".

U - UNIÃO

"Eu e o Alfredo (o marido) somos uma espécie de raridade. Quando éramos novos, conheciam-nos como o Casal Garcia, porque havia um anúncio que trazia duas aves muito bonitas, cheias de plumas, e dizia 'Casal Garcia, um casal raro'".

V - VAMPIRIZAR

"Escrever é entrar no coração das pessoas, é beber-lhes o sangue".

VELHICE

"A velhice começa quando a moral se declama. Como se fosse um texto de teatro, conduzido como uma pompa fúnebre."

VIOLÊNCIA

"Pensar é o ato mais violento que há".

VOYEUSE

"Sou mais espectadora do que narradora".

X - XAROPOSO

"Estamos mais interessados em encontrar alguém que nos tire de apuros. Anda por aí uma inquietação dissimulada com aparências de grandeza"

Z - ZANGAS

"É um perigo dar razão às pessoas. A hostilidade é muito mais saudável, dá mais vitalidade, mais força".