Documentário

"Eldorado XXI" venceu o festival de cinema internacional do Porto

"Eldorado XXI" venceu o festival de cinema internacional do Porto

O Grande Prémio Porto/Post/Doc foi atribuído ao documentário "Eldorado XXI" da portuguesa Salomé Lamas.

"Eldorado XXI" revela um lugar inóspito a 5500 metros de altitude, nos Andes peruanos, onde a última esperança vai morrer, La Rinconada. O palmarés desta terceira edição do festival internacional de cinema do Porto foi conhecido este sábado à noite, no Teatro Rivoli.

"Eldorado XXI" teve estreia nacional na competição do Porto/Post/Doc, depois de já ter percorrido vários festivais internacionais e ter estreado no Forum da Berlinale. Conta a história de La Rinconada, terra onde a exploração de ouro continua a ser procurada por muitos miseráveis desejosos de endireitar a vida, mas onde encontrar o metal é já tão difícil como suportar as duras condições físicas de viver em altitude, onde nada há, além do frio intenso.

A fotografia inebriante da paisagem nos primeiros minutos do filme dá de imediato lugar a um longo plano fixo, que apenas regista o movimento vaivém hipnótico dos mineiros ao cair da noite, por cerca de uma hora. Ao mesmo tempo há relatos fortes de histórias de desespero que foram habitar La Rinconada, testemunhos de exploração laboral, extratos de emissões da rádio local que retratam a atualidade - vozes que prendem o olhar do espectador no vazio do ecrã, mas o mantêm inquieto, em estado de alerta, como se se imaginasse no desconforto daquelas vidas em lugar de ninguém.

Ao fim da primeira hora do filme, o público suspira de alívio. O plano muda e, na segunda metade, a comunidade local peruana, as suas rotinas de trabalho, crenças e os seus rituais pagãos são exibidos em bonitos quadros, na silenciosa montanha.

Durante as cinco semanas de rodagem, para a equipa do filme "cada dia foi de saturação e de adaptação", confessou Salomé Lamas, na apresentação do documentário no festival. Em La Rinconada, é "o salve-se quem puder" e inevitavelmente houve dificuldades de produção, segundo a realizadora de 29 anos, atraída por registar "situações limite".

Salomé Lamas estreou-se na longa-metragem documental com "Terra de Ninguém" (2012), que passou pelos cinemas e foi lançado em DVD, em Portugal, França e Espanha.

O filme "Les Sauteurs", co-realizado por Abou Bakar Sidibé, Estephan Wagner e Moritz Siebert, foi distinguido pelo júri com uma menção honrosa. Aborda as vivências no monte Gourougou, entre Marrocos e a cidade espanhola de Melilla, ocupado por migrantes africanos com a Europa na mira.