Solidariedade

Portuguesa Ema Dantas está a subir os Sete Cumes do Mundo

Portuguesa Ema Dantas está a subir os Sete Cumes do Mundo

"Quando cheguei ao cume, chorei. Depois ri. E a seguir pensei que tinha de me pôr a mexer e descer o monte!". Ema Dantas, luso-canadiana, 50 anos, empresária, já subiu duas das sete maiores montanhas do mundo. Tudo por uma causa solidária.

Filha de emigrantes de Duas Igrejas, em Miranda do Douro, distrito de Bragança, Ema Dantas anda nas bocas do Mundo. A empresária de 50 anos, hoje luso-canadiana, aventurou-se na subida aos cumes mais altos do planeta para promover uma causa solidária do Centre for Addiction and Mental Health (CAMH) - um centro canadiano que trata várias dependências e saúde mental.

A portuguesa, que é CEO de uma empresa de traduções em Ontário, no Canadá, propôs-se um desafio exigente: subir os Sete Cumes do Mundo, que são as montanhas mais altas de cada continente (América do Norte e do Sul são contadas separadamente). A aventura já arrancou: em outubro de 2017, Ema escalou a Pirâmide Carstensz, na Indonésia. E, no início de janeiro deste ano, já subiu ao célebre Kilimanjaro, na Tanzânia, onde partilhou várias localizações da escalada na sua página de Facebook. Através da app Garmin, a empresária mostrou que se encontrava no cume do Kilimanjaro no dia 6 e, na imagem, via-se que estava a 5890 metros de altitude.

"Vale a pena persistir"

Em declarações ao JN a partir do Canadá, confessou a sua emoção: "O mais recompensador foi chegar aos cumes e poder tirar fotos com as minhas bandeiras [de Portugal e do Canadá]! E dizer que vale a pena persistir, porque a saúde mental é essencial. Gostaria que todas as pessoas começassem a aceitar a saúde mental como uma doença como outra qualquer", disse Ema, cuja mãe sofria de uma doença do foro psiquiátrico.

A aventura tem sido uma jornada comovente, em que Ema conta com o total apoio da família. "No dia 6 de janeiro, quando cheguei ao cume de Kilimanjaro, a minha filha mais velha, Patrícia, enviou-me uma mensagem a dizer que obviamente eu chegaria ao cume. Nesse dia era o aniversário dos cinco anos da morte da minha mãe", contou.

A escalada à Pirâmide Carstensz, na Indonésia, foi a primeira experiência em montanhismo de Ema Dantas, que a considerou a mais "difícil", porque tem medo de alturas. "Quando relembro, acho que foi uma experiência formidável que me deu coragem para as outras montanhas. Estava com um grupo de alpinistas que já tinha subido outros cumes, mas para mim era a primeira. Era a única mulher e estava nervosa por não conseguir completar o desafio: peso 43 quilos e tenho um metro e meio de altura...", revelou.

"Quando cheguei ao cume, chorei. Não acreditava que estava lá. Chorei imenso! Depois ri. E a seguir pensei que tinha de me pôr a mexer porque tínhamos de descer aquele monte de rocha!", contou, divertida.

A aventura terminará em 2020

Existem duas versões da lista dos sete maiores cumes do Mundo: uma de Dick Bass e outra de Reinhold Messner. Por essa razão, Ema Dantas tem de subir oito montes em vez de sete. "A maioria dos alpinistas, para ficarem com o certificado, fazem os oito cumes, para ninguém os poder contestar", explicou ao JN.

Assim, para alcançar a meta final, Ema terá ainda de subir mais seis cumes. Até ao final do ano, a empresária pretende escalar os montes Elbrus (Rússia) em julho, e Vinson (Antártica) no final de novembro. Ficarão a faltar-lhe o Evereste (Nepal), que é o mais alto de todos, o monte Aconcágua (Argentina), que é a segunda maior montanha com 6962 metros, o Denali (Alasca, EUA) e o monte Kosciuszko, na Austrália. "Se Deus quiser, gostaria de terminar esta aventura em 2020, o mais tardar", rematou Ema Dantas.