Polémica

Tony Carreira considera queixa de plágio "oportunista"

Tony Carreira considera queixa de plágio "oportunista"

A empresa que gere a vida artística de Tony Carreira diz que as "questões passadas de direitos autorais foram resolvidas em devido tempo com quem de direito".

A empresa que gere a vida artística de Tony Carreira já reagiu à acusação do Ministério Público conhecida esta quarta-feira. Em comunicado, a Regi-Concerto explica que a queixa foi feita pela Companhia Nacional de Música e que, defende, é "oportunista e injustificada".

Segundo a produtora, "Tony Carreira foi informado da acusação contra si deduzida", mas admite que ela não surgiu de "qualquer autor ou artista envolvido nas obras em causa". "Nenhum autor ou artista apresentou queixa", reiterou a Regi-Concerto.

Na mesma nota, divulgada esta tarde no Facebook, pode ler-se ainda que as "questões passadas de direitos autorais foram resolvidas em devido tempo com quem de direito." Por isso, "Tony Carreira considera a queixa sem fundamento e insuscetível de perturbar o seu trabalho em prol de um público que o segue há 30 anos."

Segue-se agora uma nova fase do processo levado a cabo pelo Ministério Público, em que "Tony Carreira terá oportunidade de se defender, o que fará serenamente, certo da razão que lhe assiste".

Recorde-se que esta quarta-feira foi tornado público o despacho de acusação do Ministério Público, em que não só o cantor como o compositor Ricardo Landum são acusados de se "arrogarem de obras alheias" após modificarem os temas originais.