óbito

Um músico "iluminado" e "autêntico", recorda Pedro Costa

Um músico "iluminado" e "autêntico", recorda Pedro Costa

O pianista Bernardo Sassetti, que foi encontrado morto na quinta-feira, no Guincho, em Cascais, era "um iluminado" que tinha "um grande compromisso com a música", disse, esta sexta, o seu editor discográfico, Pedro Costa.

"O Bernardo [Sassetti] era uma personalidade, um iluminado, com grande energia, muito acima das coisas materiais", disse Pedro Costa da Clean Feed, acrescentando: "Com ele nunca falei de dinheiro".

"Foi a pessoa mais generosa que eu conheci", sublinhou emocionado o editor discográfico.

"Ele tinha um grande compromisso com a música, um perfeccionista, músico excecional porque autêntico", afirmou.

"O Bernardo [Sassetti] trouxe uma lufada de ar fresco porque ele era o que tocava, e ficava admirado quando as pessoas lhe diziam que a sua música era triste porque era tão bela, quando era de uma grande alegria e iluminada", afirmou.

O editor referiu a paixão de Sassetti pela fotografia, tendo sido autor das capas de todos os seus álbuns editados pela Clean Feed.

Em março do 2010, Bernardo Sassetti, quando tocou o seu trio no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, para apresentar o álbum "Motion", exibiu várias curtas-metragens criadas por si.

Na altura, explicou à Lusa que eram "filmes, alguns feitos através de fotografia". Tendo referido o seu interesse em explorar a fotografia como "uma outra arte a descobrir".

Compunham o trio, além de Sassetti, ao piano, o contrabaixista Carlos Barretto e o baterista Alexandre Frazão.

O corpo de Bernardo Sassetti foi encontrado na quinta-feira, pela polícia marítima, na zona do Abano, no Guincho.

Conteúdo Patrocinado