O Jogo ao Vivo

Sugestões

Vinhos que alimentam a autoestima

Vinhos que alimentam a autoestima

Escolher dois vinhos entre tantos e tão bons que são produzidos em Portugal não é fácil. Optei por dois, quase anónimos, que merecem ser bebidos e conhecidos. Um é arcaico, fora de moda e em vias de extinção; o outro é uma herança dos romanos e imaculadamente puro.

Quinta do Montalto | Medieval de Ourém | 2017

O Quinta do Montalto, Palhete Medieval de Ourém, 2017, é um dos últimos vinhos cistercienses da Europa da Cristandade. Feito segundo a receita dos monges de Alcobaça, do século XII, é um clarete de mistura, com 80% de uvas Fernão Pires e 20% de "tinta", feita com uvas Trincadeira. O mosto branco fermenta no tonel e depois é tingido com a "tinta", após fermentação em selha com curtimenta de oito dias. O resultado é um vinho com a cor do "sangue de Cristo", que todos os fiéis da Europa do Sul bebiam diariamente até à Idade Moderna. Sobrevive na região de Ourém, onde é feito com uvas de vinhas medievais, graças ao orgulho de pequenos vinhateiros que têm o prazer de o fazer conforme os antepassados lhes ensinaram.

Outeiros Altos | Vinho biológico | 2017

O Outeiros Altos, Vinho de Talha Tinto Biológico, 2017, é um vinho feito em talhas de barro, segundo o "processo romano", com uvas de vinhas conduzidas em produção biológica. Há muitos anos que aprecio o trabalho destes produtores, Jorge e Fernanda, agrónomos de formação e vinhateiros por paixão. Têm um respeito extremo pela Natureza e pelo local onde estão as vinhas, um pequeno recanto do Paraíso em plena serra de Ossa, perto de Estremoz. Todos os seus vinhos são recomendáveis, mas escolhi este por um detalhe delicioso. Em 2012, a autoridade sanitária da Bélgica recolheu uma amostra deste vinho para análise e os resultados foram tão surpreendentes que se sentiu na obrigação de felicitar os produtores: pela primeira vez tinham analisado um vinho que não tinha resíduos de nenhum dos 235 pesticidas que pesquisam em rotina. Quem o bebe é felizardo!

Todas as semanas, ao domingo, a edição impressa do JN traz sugestões de vinhos.