Sugestões

Viver o presente com bons vinhos 

Viver o presente com bons vinhos 

Duas propostas que nos transportam para as suas origens com elegância e subtileza

De há uns anos para cá, viver o presente parece que se tornou cada vez mais importante, essencial até! No meio do turbilhão que muitas vezes é a nossa vida, parar e dar valor às pessoas com quem nos cruzamos, ao que comemos, à natureza que nos rodeia, é quase um luxo. Por isso, cada vez dou mais valor a essas oportunidades e faço com que cada momento seja vivido da melhor maneira e em pleno.

Com o vinho passa-se o mesmo. Abrir uma garrafa e pensar nas pessoas que lhe deram origem, no local onde nasceu, na paisagem que o viu crescer, é um instante único.

Há vinhos que nos transportam para os seus "terroirs" de origem. Um deles é do Dão, uma região fantástica e desafiante, agreste, mas ao mesmo tempo delicada. É da Casa da Passarella, O Fugitivo Vinhas Centenárias 2012, um vinho do Paulo Nunes, que nos remete para o passado, mas sempre com um toque atual. Aqui a vinha centenária conta-nos histórias de outras gentes, de outros tempos, através de um vinho perfeitamente contemporâneo. É pela elegância e complexidade deste vinho que mergulhamos no mais profundo Dão.

Do Norte, mais propriamente da Região dos Vinhos Verdes, vem a minha segunda escolha. Camaleão Alvarinho 2017, um vinho do João Cabral Almeida, que nos mostra uma bela faceta desta grande casta. Um vinho fresco e vibrante, que expressa exatamente a casta no "terroir" onde nasceu. A fruta subtil, o caráter mineral e o volume de boca deste branco podem ser mais bem apreciados se esperarmos que o vinho chegue à temperatura certa, observando a mudança de cor do camaleão no rótulo.

Todos os domingos, na edição impressa do JN, damos-lhe sugestões de vinho.

O Fugitivo Vinhas Centenárias
Casa da Passarella
2012

Camaleão
João Cabral e Almeida
2017

ver mais vídeos