Inovação

Yondr, a bolsa que bloqueia telemóveis

Yondr, a bolsa que bloqueia telemóveis

Todos os artistas que estão a fazer dos seus concertos zonas livres de telemóveis têm uma escolha comum: o recurso a um bolsa na qual os aparelhos são colocados e mantidos em estado de pousio durante todo o espetáculo.

O Yondr é o produto mais popular do género, mas a oferta é variada, com preços que variam entre os sete e os nove euros.

O processo é simples: à chegada ao recinto, os assistentes pedem aos espectadores que coloquem os seus telemóveis no interior de uma bolsa que fica na sua posse ao longo do concerto. Os telemóveis ficam, deste modo, "trancados", sem que o seu utilizador possa aceder ao interior. Caso se aperceba de que alguém está a telefonar-lhe, o espectador deve abandonar o recinto e dirigir-se a uma zona onde possa fazer a chamada.

Para Graham Dugoni, fundador desta "start up" de São Francisco, nos EUA, que emprega 17 pessoas, o uso constante do telemóvel está "a afetar o sistema nervoso central" das pessoas e a afetar as suas "capacidades de socialização". Mas não só. "É um erro pensarmos que conseguimos experienciar alguma coisa e documentá-la ao mesmo tempo", afirmou o empresário ao jornal inglês "The Guardian".

Imobusiness