Arte

Joana Vasconcelos planta galo à beira-Tejo

Joana Vasconcelos planta galo à beira-Tejo

O nome diz (quase) tudo: "Pop galo", a mais recente obra pública da artista plástica Joana Vasconcelos, é uma adaptação do conhecido galo de Barcelos e conheceu este domingo a primeira apresentação pública, na Avenida Ribeira das Naus, em Lisboa, numa cerimónia a que assistiu o primeiro-ministro, António Costa.

Com dez metros de altura, a obra, realizada no âmbito da Web Summit, está forrada com 17 mil azulejos e 16 mil lâmpadas led. O objeto artístico apresenta-se, desse modo, com duas faces distintas, dada a forma como surge iluminado à noite. A ambivalência pretende colocar em evidência duas facetas distintas de Portugal: a tradição e a modernidade.

A dimensão tecnológica do "Pop galo" não se resume às luzes. Está igualmente prevista a interação com o público, bastando para tal colocar um código QR. De seguida, é possível selecionar uma cor, à qual corresponde um trecho musical feito pelo compositor lisboeta Jonas Runa.

Parte integrante da nova campanha de promoção de Portugal no estrangeiro, o "Pop galo" vai percorrer o Mundo. Para já, sabe-se que, após a capital portuguesa, a peça segue para Pequim a fim de integrar as comemorações do novo ano chinês.

Nas primeiras declarações públicas depois da divulgação da escultura, que ficou concluída apenas esta semana, Joana Vasconcelos afirmou que a obra é uma revisitação "da cultura pop". A artista salientou ainda que a peça, "uma ponte entre o passado, a tradição e o futuro", marca "uma nova fase" do seu trabalho.