Cultura

Manoel de Oliveira faz 104 anos de olhos postos em novos filmes

Manoel de Oliveira faz 104 anos de olhos postos em novos filmes

"A recuperar bem", segundo a família, Manoel de Oliveira celebra, esta terça-feira, em casa, o 104.º aniversário. O regresso às filmagens deve acontecer nos próximos meses. A estreia, essa, deverá acontecer já em 2013.

Há longos anos que Manoel de Oliveira faz questão de celebrar o aniversário em família. Só quando a comemoração interfere com as filmagens - o que aconteceu, por exemplo, no 100 º aniversário - é que o ritual não se cumpre.

Ainda não totalmente reabilitado da insuficiência cardíaca que o afetou há menos de meio ano, mas a evoluir de forma favorável, segundo fontes próximas, o mais velho cineasta do Mundo em atividade irá, desta vez, celebrar a passagem de mais um aniversário "com os filhos e os netos".

Não custa adivinhar qual será o desejo expresso quando apagar as velas: regressar quanto antes ao seu adorado "plateau".

Quem trabalhou com o realizador confirma que o cinema representa, em larga medida, o elixir da sua juventude. "O segredo para a sua longevidade é a capacidade de trabalho. O seu cérebro está sempre a trabalhar", explica o ator António Reis, que foi dirigido por Oliveira em nove filmes.

Já a assistente de realização Júlia Buisel - que vai apresentar amanhã, em Guimarães, "Antes que me esqueça", livro sobre os bastidores do cinema e do teatro - confirmou, à Lusa, que "o cinema é a motivação para Manoel de Oliveira viver e não ficar em casa de chinelos a ver televisão".

Ideias para concretizar o regresso aos filmes não faltam. Para já, são dois os projetos que aguardam financiamento para arrancar. O primeiro intitula-se "O velho do Restelo" e inspira-se em textos de Camões, Teixeira de Pascoaes e Cervantes. O argumento foi escrito ao longo do último ano, logo após a conclusão do seu mais recente filme. "Se tudo correr como previsto, deverá estrear no próximo ano", avançou, ao JN, fonte da família.

PUB

A literatura é também o ponto de partida do outro projeto em carteira. Em "A igreja do diabo", o cineasta portuense propõe-se adaptar um conto de Machado de Assis que entrelaça três histórias. Do elenco, farão parte os históricos Lima Duarte e Fernanda Montenegro, bem como Ricardo Trêpa.

Obra na Guimarães 2012

O ano que ficou para trás foi intenso, apesar do susto provocado pelos problemas cardíacos no verão. Nesse período, ultimou "O gebo e a sombra", filme que resultou da adaptação de uma peça teatral de Raul Brandão. Estreado em França, chegou às salas portuguesas em outubro e obteve um franco consenso crítico.

Eduardo Paz Barroso, professor universitário, saúda a boa forma do realizador, capaz de manter intacta a capacidade de surpresa, mesmo ao fim de uma vida inteira dedicada ao cinema. "A renovação constante" que os seus filmes ainda revelam é sintomática do que considera ser uma "ligação entre a criação e a eternidade".

Foi também neste ano que o autor de "Palavra e utopia" realizou a curta-metragem "O conquistador conquistado", rodada em maio em Guimarães a convite da Capital Europeia da Cultura 2012. v

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG