Literatura

Marli desenhou e escreveu "O outro lado da pandemia"

Marli desenhou e escreveu "O outro lado da pandemia"

Marli Vitorino lança livro "O outro lado da pandemia", onde reporta, através de desenhos e poemas, o que os profissionais de saúde estão a viver com a pandemia.

Marli Vitorino, de 31 anos, descobriu aos 30 que sabia desenhar. A enfermeira natural da Lourinhã trabalha há nove anos na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e acompanha desde o início a pandemia pelo novo coronavírus.

A profissional de saúde lembra que quando a pandemia espoletou abundavam os receios e ansiedades entre os colegas de ofício. "Ninguém sabia ou entendia o que aí vinha."

No seu serviço, houve um dia em que deu por si, numa "sala pequena, sozinha, com um paciente em estado de coma com quem não podia conversar. Havia na sala papel e caneta, e comecei a rabiscar como forma de desabafo por tudo o que tinha a ver com os cuidados prestados". Aproveitando o gosto que sempre teve pela escrita, Marli Vitorino desenhou e escreveu centenas de poemas que ia deixando na porta de vidro que separa a zona infetada da zona não infetada. "No auge da pandemia foi sem dúvida um escape para mim", afirma em entrevista telefónica com o "Jornal de Notícias".

Rapidamente, a enfermeira decidiu partilhar os esboços acompanhados de palavras numa conta do Instagram com o nome O Outro Lado da Pandemia. "São histórias que comecei a elaborar para desvendar o que são cuidados intensivos. Não é só sobre morte e pressão, é mostrar que também acontecem milagres todos os dias", sublinha.

Do acervo na rede social Instagram à formulação do livro foi um repente: "O livro surge como uma mostra física do desafio de todos os profissionais de saúde".

A obra "O outro lado da pandemia" foi lançada em junho no Museu da Farmácia, em Lisboa, assim como na Feira do Livro da capital e na terra natal da enfermeira. Outras apresentações se seguirão.

PUB

A ideia de Marli Vitorino é continuar a desenhar e a escrever. Relatando no papel e partilhando com o Mundo, seja no Instagram, seja em livro, que "os profissionais de saúde são cuidadores, mas também são cuidados", uma vez que aprendem "todos os dias com os doentes". "Às vezes as pessoas estão rabugentas por qualquer coisa, e o que vemos nos cuidados intensivos é uma lição de vida."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG