O Jogo ao Vivo

Comunicação Social

ERC lança guia de boas práticas jornalísticas para a cobertura de incêndios

ERC lança guia de boas práticas jornalísticas para a cobertura de incêndios

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social disponibilizou, esta quinta-feira, um guia de boas práticas para a cobertura jornalística de incêndios e outras calamidades, que inclui, entre outros, a indicação para que não sejam ouvidas vítimas, independentemente do seu consentimento, e que se evite a repetição de imagens.

O guia - que pode consultar aqui - tem 10 pontos e alerta os jornalistas para o que devem e não devem fazer em caso de catástrofes. Segundo a ERC, estas recomendações surgem após terem sido recebidas, ao longo dos anos, diversas queixas e participações sobre a cobertura jornalística de incêndios florestais e outras calamidades em programas de informação e/ou espaços de opinião na imprensa, rádio, televisão e internet, em particular no ano passado.

De acordo com a reguladora, "o recurso a transmissões em direto deve ser ponderado em função do valor informativo das imagens, evitando-se o seu prolongamento ou constante repetição e os órgãos de comunicação social devem abster-se de recolher imagens e declarações de vítimas, familiares ou pessoas em manifesto estado de vulnerabilidade psicológica, emocional e física, independentemente do consentimento dado pelas mesmas".

O Guia de Boas Práticas para a Cobertura Informativa de Incêndios Florestais e Outras Calamidades recomenda que o recurso a fontes oficiais de informação seja privilegiado, "sem prejuízo da sua verificação/confrontação com outras, nomeadamente quanto ao número e identidade de mortos, desaparecidos ou feridos.".

"As imagens de calamidades, quando possam ferir as suscetibilidades dos espetadores, devem ser acompanhadas sempre de advertência prévia, indicando claramente a natureza das imagens", recomenda a reguladora, defendendo que "deve ser garantido o direito à imagem das vítimas, mesmo post mortem, assegurando a sua privacidade".

A ERC recomenda que sejam evitados a utilização de determinados recursos técnicos, como efeitos de som, música de fundo e outros, o recurso a frases estereotipadas, o uso excessivo de adjetivação e lugares comuns/generalizações que possam contribuir para empolar o acontecimento e/ou para agravar a dor de vítimas e familiares.

Em relação ao recurso a imagens de videoamador e a conteúdos captados pelo cidadãos, a ERC diz que os jornalistas devem "assegurar a validação do seu conteúdo, acrescentar valor à informação a divulgar, de forma contextualizada e claramente identificável enquanto tal, devendo a sua exibição ser sujeita a tratamento editorial de forma a respeitar as regras que regem a produção jornalística."

A ERC relembra ainda que " o cumprimento destas boas práticas deve estar sujeito a especial cuidado quando se trata de vítimas ou testemunhas menores de idade."