Televisão

Pais opõem-se ao documentário Netflix sobre Maddie

Pais opõem-se ao documentário Netflix sobre Maddie

O Netflix deverá estrear, esta sexta-feira, um especial sobre o desaparecimento de Maddie McCann.

O gigante do streaming pouco ou nada revelou sobre a série, intitulada de "O desaparecimento de Madeleine McCann", que se será um documentário com oito episódios, encomendado em 2017 e cuja estreia foi repetidamente adiada.

O programa não contou com a participação dos pais da menina, que se opõem à produção. O porta-voz de Kate e Gerry McCann esclareceu que a família e os seus amigos "foram abordados há alguns meses para participar no documentário. Não foi a pedido de Kate e Gerry, que não vêem como é que o programa pode ajudar a procura por Maddie e, por isso, decidiram não participar". A produtora ofereceu a possibilidade à família de ver o programa antes de ser lançado, mas o convite foi declinado.

Gonçalo Amaral, um dos inspetores da Polícia Judiciária que investigou o caso e que escreveu um livro sobre a investigação, é um dos entrevistados, como mostra o trailer.

Segundo o "The Guardian", tem havido muita especulação à volta da produção, que não terá conseguido falar com algumas das personalidades essenciais ligadas ao caso. O programa está a provocar algum rebuliço na imprensa britânica. O tabloide "Daily Mail" afirma que a tese que o programa irá defender é que Maddie pode ainda estar viva e nas mãos de traficantes sexuais. O "The Guardian" escreve que cada um dos episódios terá custado mais de um milhão de euros a produzir e terão sido entrevistadas mais de 40 pessoas.

Segundo a Netflix, "O desaparecimento de Madeleine McCann" analisada detalhadamente o caso da menina que desapareceu a 3 de maio de 2007, na Praia da Luz, no Algarve. "Foi um desaparecimento que foi seguido no mundo inteiro, com a polícia portuguesa e Scotland Yard a mobilizarem-se uma investigação que se tornou no maior caso de uma criança desaparecida da história britânica".

Estima-se que investigação já tenha custado ao governo britânico cerca de 13,5 milhões de euros,

Imobusiness