Investigação

"Repórter" do "Você na TV" suspeito de incitar ao ódio racial

"Repórter" do "Você na TV" suspeito de incitar ao ódio racial

Ministério Público investiga "repórter" de "Você na TV" há meses por práticas discriminatórias, que já levaram o regulador a advertir a TVI.

O Ministério Público (MP) está a investigar Bruno Caetano, o apelidado "repórter" das manhãs da TVI, por alegadas práticas de crimes de discriminação e de incitamento ao ódio. O caso não tem a ver com a recente polémica no "Você na TV", pela presença de um neonazi a convite do colaborador do canal de Queluz, mas com dois episódios semelhantes, em novembro de 2017.

O inquérito a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, confirmado ao JN pela Procuradoria-Geral da República (PGR), foi desencadeado por um post violento que Caetano divulgou no Facebook, onde aludiu a determinada etnia, e por um direto na então rubrica "Crónica Criminal". O inquérito ainda "não tem arguidos constituídos".

O JN apurou junto da Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial que os factos remontam à emissão de 2 de novembro de 2017. Acabou por ser a Entidade Reguladora para a Comunicação Social a encaminhar o caso para o MP, além de ter feito uma recomendação à TVI, para que evitasse estes comportamentos.

Caetano, que não tem título profissional de jornalista, colocou naquela data um post onde se queixou da violência desencadeada "claramente" por pessoas de determinada etnia. Apagou depois a publicação, perante a reação dos seus seguidores. Mas, no direto na TVI, reagiu de igual forma como no caso do nacionalista Mário Machado: queixou-se de receber ameaças, insistiu que não era "xenófobo", e usou de novo uma "linguagem e interpretações" consideradas racistas, ao associar a etnia das pessoas a atos de violência.

O colaborador da TVI não mostrou disponibilidade para responder às questões do JN.


Nacionalista origina quatro queixas

A Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR) adiantou, ao JN, que recebeu quatro queixas contra a rubrica "Diga de sua (In)Justiça", em que participou o nacionalista Mário Machado e que foi entretanto suspensa pela TVI.