O Jogo ao Vivo

Televisão

RTP2 estreia série documental sobre a PIDE

RTP2 estreia série documental sobre a PIDE

O jornalista Jacinto Godinho recua ao "período oculto" através de dezenas de testemunhos. A estreia está marcada para as 21.30

Contar a história nunca antes contada da polícia política do Estado Novo. Desenterrar do passado os "rostos invisíveis por detrás da figura de Salazar". É a isto que se propõe a série documental "A PIDE antes da PIDE", que a RTP2 estreia esta noite, pelas 21.30.

Ao longo de nove episódios, o jornalista Jacinto Godinho dá a conhecer "mais de duas dezenas de testemunhas" que viveram nesse "período oculto", especificamente entre 1926 e 1945. O seu objetivo, conta ao JN, é "resgatar anos de jornalismo que não chegou a ser realizado". "Tudo aquilo que foi interessante nessa altura - os golpes, as revoluções - nunca vinham nas primeiras páginas dos jornais. Portanto, há uma história que não se conhece. São coisas que existem em palavras, nos livros, mas que não existem nas imagens. Este documentário aborda muitos desses nomes sem rosto, que estavam invisíveis por detrás da figura de Salazar e que acabariam por desaparecer da memória", explica.

O trabalho feito ao longo de "vários anos", com auxílio do arquivo da RTP, implicou um exaustivo processo burocrático. "Para identificar muitos dos agentes da PIDE nas imagens, precisei de consultar os arquivos de cadastro deles e, para isso, fazer uma série de pedidos à Assembleia da República", revela Jacinto Godinho.

O primeiro episódio, transmitido esta noite, será focado na figura de Agostinho Lourenço, primeiro diretor da PVDE (Polícia de Vigilância e Defesa do Estado, 1933) e da PIDE (1945). Este que ficou conhecido como o "anjo negro" de Salazar, foi o homem que comandou, durante 25 anos, os serviços secretos portugueses.

Ao fim de tantas décadas, será este um tema ainda cativante para os espectadores? Jacinto Godinho, que admite por vezes ter dúvidas, acaba por responder que sim. "Acho que os portugueses sentem uma certa atração pelo período do Estado Novo, exatamente por causa dessa invisibilidade de que falei. Isto não é propriamente uma série para trazer grandes audiências, mas e a RTP está a fazer o seu serviço de memória. É verdade que quase todos os trabalhos sobre o Estado Novo se concentram muito na figura de Salazar, mas eu aqui tento dar mais personagens, mais rostos, uma história menos mítica e mais jornalística, mais real".