U2

Milhares compraram na Net bilhetes falsos para concerto dos U2

Milhares compraram na Net bilhetes falsos para concerto dos U2

Os concertos dos U2 em Coimbra, tal como os outros da presente digressão da banda irlandesa, deram origem a uma burla de enorme dimensão, com a venda de supostos bilhetes, através da Internet, que os compradores não receberam em casa.

Não há números, naturalmente, sobre a quantidade de fãs vigarizados. Mas as centenas de queixas, espalhadas por sites nacionais e estrangeiros, permitem calcular, sem grande risco, que haverá milhares de vítimas.

Para Álvaro Ramos, da Ritmos & Blues, promotora dos concertos em Portugal, “é capaz de ser” a maior burla de sempre, no mundo do espectáculo. Justifica-se com a recente vulgarização das compras pela Net e com o facto de os U2 serem uma das bandas mais populares do mundo - em Outubro de 2009, os bilhetes postos oficialmente à venda, para os concertos em Coimbra, esgotaram-se em sete horas, recorda.

PUB

Há uma semana e meia que a PJ de Coimbra recebe queixas diariamente, contou fonte policial, convencida de que o mesmo tem sucedido no resto do país. As denúncias incidem sobre compras, por cartão de crédito, nos sites worlwideticketstore.com e euroeventsandhopitality.com. Mas o JN constatou que o site U2010tickets.com, entretanto desaparecido da Web, também fez muitas vítimas.

A Ritmos & Blues bem avisou os fãs para se limitarem aos balcões e sites autorizados.

O facto de as queixas só agora caírem na PJ, apesar de a maioria das burlas ter ocorrido em 2009, terá a ver com a indicação dos burlões para os compradores esperarem pelos bilhetes até uma ou duas semanas antes do evento. Alguns destes conservavam, até agora, uma réstia de esperança, como assumiu uma vítima ao JN.

A vergonha costuma dificultar a apresentação de queixa e há quem desconheça que o pode fazer contra desconhecidos. Mas existe, ainda, quem aguarde: “Isto é crime e vou apresentar queixa na polícia após o concerto”, promete Lígia, cujo marido terá pago 280 euros por quatro bilhetes, pelo site World Wide Ticket.

As hipóteses de os burlões serem apanhados, essas, são poucas. “É claramente gente que sabe o que faz”, observa fonte da PJ, referindo-se às estratégias de dissimulação utilizadas. “Normalmente, o alojamento dos sites em causa é feito em países longínquos ou que dificilmente cooperam com autoridades de outros países”. Por outro lado, é provável que os fãs dos U2 enganados tenham transferido o seu dinheiro para contas sediadas em offshore.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG