Cultura

Ministra felicita Álvaro Siza pelo contributo na promoção do diálogo ibérico

Ministra felicita Álvaro Siza pelo contributo na promoção do diálogo ibérico

A ministra da Cultura felicitou esta sexta-feira o arquiteto Álvaro Siza Vieira pelo Prémio Nacional de Arquitetura 2019, considerando que "reconhece" o contributo deste "na paisagem arquitetónica de Espanha e o seu papel na promoção do diálogo entre as culturas ibéricas".

A título de exemplo, Graça Fonseca mencionou obras da autoria do arquiteto como o Centro Galego de Arte Contemporânea, a Reitoria da Universidade de Alicante ou o Paraninfo da Universidade do País Basco, entre outras.

"A arquitetura, pelo seu papel na composição das paisagens, tem esta condição e vantagem de ser arte em permanente exposição, fazendo de cada um de nós espetador", lê-se num comunicado hoje divulgado, assinado pela ministra da Cultura, Graça Fonseca.

O arquiteto "torna os dias melhores", sustentou, sublinhando ainda que a arte de Álvaro Siza "elevou a arquitetura portuguesa ao lugar cimeiro que hoje ocupa no panorama internacional".

Graça Fonseca lembra ainda que, com outros arquitetos portugueses, Álvaro Siza "tem contribuído significativamente para que esta seja uma época de ouro da arquitetura portuguesa", dando a conhecer a cultura e o talento portugueses "um pouco por todo o mundo".

A atribuição ao arquiteto Álvaro Siza Vieira foi anunciada pelo ministro espanhol do Fomento, em funções, José Luís Ábalos, numa mensagem também publicada na rede social Twitter.

"Acabo de informar Álvaro Siza de que foi galardoado com o Prémio Nacional de Arquitetura 2019. Um arquiteto português reconhecido mundialmente, que tanto tem contribuído para a arquitetura e as cidades espanholas", escreveu o ministro espanhol, nas redes sociais.

A decisão de atribuir o prémio foi tomada durante o II Congresso Internacional "Arte, Cidade e Paisagem", que está a decorrer até hoje em Cuenca (Espanha), e que tem Portugal como país convidado.

O Prémio Nacional de Arquitetura é um galardão atribuído anualmente pelo Governo de Espanha, desde 1932.

Álvaro Siza nasceu em Matosinhos, em 1933, e estudou Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes do Porto, entre 1949 e 1955.

Em Espanha construiu, entre muitos outros edifícios, o Centro Meteorológico da Villa Olímpica de Barcelona, as casas de habitação social de Cádis, a Faculdade de Ciências da Informação de Santiago de Compostela, a Reitoria da Universidade de Alicante e o edifício Zaida de Granada.

É autor de vários outros projetos, entre os quais se destacam as vivendas no Bairro da Malagueira, em Évora, a Faculdade de Arquitetura do Porto, o Centro Paroquial de Marco de Canavezes, o Pavilhão de Portugal da Expo'98 em Lisboa, o Pavilhão de Portugal da Expo'2000 em Hannover (com Souto de Moura) e o Museu de Arte Contemporânea de Nápoles.

Da sua imensa lista de distinções destaca-se o Prémio de Arquitetura da Associação Internacional de Críticos de Arte (1982), o Prémio de Arquitetura da Associação dos Arquitetos Portugueses (1987), a Medalha de Ouro de Arquitetura do Conselho Superior dos Colégios de Arquitetos de Espanha (1988), o Prémio Mies van der Rohe (1988) e Prémio Pritzker, da Fundação Hyatt, o chamado "Nobel da Arquitetura", pelo projeto de renovação na zona do Chiado, em Lisboa (1992).