Cultura

Morreu o escritor Bento da Cruz

Morreu o escritor Bento da Cruz

O escritor Bento da Cruz, de 90 anos, autor, entre outras obras, de "O lobo guerrilheiro", morreu, esta quarta-feira, no Porto, onde residia desde 1971, disse à Lusa fonte editorial.

Segundo a mesma fonte, as cerimónias fúnebres iniciam-se esta quarta-feira, pelas 17 horas, na Igreja das Antas, no Porto, de onde a urna sairá na quinta-feira, pelas 11 horas, para a aldeia natal do escritor, Peirezes, no concelho de Montalegre, onde, a partir das 13 horas, será velada até às 17 horas, quando se realiza o funeral.

Bento da Cruz, licenciado em Medicina pela Universidade de Coimbra, era referenciado como o "príncipe do planalto barrosão".

No início da carreira, em 1955, estabeleceu consultório médico em Souselas, na Beira Litoral, e, a partir de 1956, na aldeia de Pisões, no concelho transmontano de Montalegre, onde providenciou assistência médica gratuita a muitos conterrâneos.

Antes da faculdade, Bento Gonçalves da Cruz ingressou na Escola Claustral de Singeverga, dirigida por monges beneditinos, com o fito de seguir a vida religiosa.

Concluiu com distinção o antigo Curso dos Seminários e foi diretor literário das revistas estudantis O Colégio e Claustrália. Em 1945 entrou no noviciado e, no ano seguinte, abandonou a vida consagrada.

Literariamente estreou-se em 1959 com a obra "Hemoptise", assinada sob o o pseudónimo de Sabiel Truta. Ao longo de 50 anos de carreira literária publicou cerca de 25 títulos, entre contos, romances, biografia e crónicas, que compilou em três volumes sob o título "Prolegómenos", o mesmo da coluna que regularmente assinava no jornal Correio do Planalto, por si fundado depois do 25 de Abril de 1974.

PUB

"Histórias da vermelhinha", "Planalto de gostofrio", "Histórias de lana-caprina", "O tetábulo das virgens loucas", "Victor Branco: Escritor barrosão, vida e obra", "Camilo Castelo Branco: Por terras de Barroso e outros lugares" e "A Fárria", com que celebrou, em 2010, cinquenta anos de carreira literária, são alguns dos seus títulos.

O autor recebeu o Prémio Fialho de Almeida, da Sociedade Portuguesa de Escritores Médicos, em 1973, por "Contos de Gostofrio e Lamalonga", o Prémio Literário Diário de Notícias e de Ficção da Sociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos, em 1991, por "O lobo guerrilheiro", e ainda o Prémio Literário de Investigação da Câmara Municipal de Montalegre (CMM), por "Victor Branco, escritor barrosão - vida e obra", em 1995, assim como os prémios literários de ficção, da CMM, por "O retábulo das virgens loucas", em 1996, e o do Eixo Atlântico de Narrativa Galega e Portuguesa, por "A loba", em 1999.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG