União Europeia

Netflix e Youtube  baixam qualidade da transmissão para não "partir a Internet"

Netflix e Youtube  baixam qualidade da transmissão para não "partir a Internet"

A plataforma digital de séries e filmes Netflix comprometeu-se a reduzir, num mês, a qualidade da transmissão, para evitar o congestionamento do serviço numa altura de maior procura devido ao isolamento na Europa devido ao Covid-19. Esta sexta-feira, também o Youtube decidiu fazer o mesmo.

"Dados os desafios extraordinários criados pelo novo coronavírus, a Netflix decidiu começar a reduzir as taxas de 'bits' [o fluxo de transferência] em todos os nossos serviços de 'streaming' na Europa por 30 dias", indica uma nota de imprensa divulgada pela Comissão Europeia.

A medida, adotada um dia depois de o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton, ter conversado com o presidente executivo da plataforma, Reed Hastings, implica que "a Netflix reduza o seu tráfego na Europa em cerca de 25%, garantindo ao mesmo tempo um serviço de boa qualidade para os seus clientes".

"Congratulo-me com a ação rápida da Netflix para preservar o bom funcionamento da internet durante a crise do Covid-19, mantendo uma boa experiência para os utilizadores", refere Thierry Breton no mesmo comunicado, destacando o "forte sentido de responsabilidade e de solidariedade" de Reed Hastings.

Na quarta-feira, a Comissão Europeia pediu à Netflix e outras plataformas de 'streaming' para adaptarem os serviços ao aumento da procura em altura de isolamento social pelo surto de Covid-19, pedindo ainda às operadoras para evitar congestionamento da internet.

"As plataformas de 'streaming', as operadoras de telecomunicações e os utilizadores têm uma responsabilidade conjunta em adotar medidas para garantir o bom funcionamento da internet durante a batalha contra a propagação do novo coronavírus", vincou Thierry Breton na nota divulgada nesse dia.

PUB

YouTube diminui qualidade

O YouTube vai também reduzir a qualidade visual dos seus serviços de vídeo, de forma a diminuir a carga sobre a Internet europeia. Segundo avança a agência Reuters, esta sexta-feira, depois de Breton ter conversado com Sundar Pichai, CEO da Alphabet Inc. (dona do YouTube e da Google) e com Susan Wojcicki. No YouTube, os picos de utilização aconteceram poucas vezes, mas a redução do fluxo de dados é uma medida preventiva para minimizar o stress no sistema.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG