O Jogo ao Vivo

Livros

O amor é um campo de batalha sem fim

O amor é um campo de batalha sem fim

"Quarentena, uma história de amor" é um romance intenso de José Gardeazabal sobre os desafios do período de confinamento. É mais fácil sobreviver à pandemia ou ao fim do amor?

Se os poemas e os ensaios publicados nos últimos meses sobre a pandemia são já incontáveis, o mesmo não se pode dizer ainda dos romances.

Um dos primeiros contributos conhecidos vem de José Gardeazabal, muito provavelmente a principal revelação da literatura portuguesa dos últimos anos, pelo caráter desafiador e inventivo da sua escrita.

Em "Quarentena, uma história de amor", o autor de "Meio homem, metade baleia" narra-nos a história de um casal que tenta sobreviver à pandemia, mas sobretudo ao fim do amor.

Quando decidem por fim separar-se, eis que o contacto com um infetado dita uma sentença que, para ambos, é vista como se de uma pena máxima se tratasse: uma quarentena que significa a proximidade e a partilha de que se desabituaram em absoluto nos últimos tempos.

Como explica o narrador, "a nossa relação desapareceu pelo efeito preguiçoso do tempo - e agora isto: dão-nos mais tempo, os dois trancados no mesmo espaço. Todos deviam poder escolher entre um espaço fechado e um tempo bastante longo. Nós não escolhemos, ofereceram-nos numa bandeja menos espaço e um tempo muito, muito longo. Estamos confinados".

Estranhos no próprio lar, os dois (ex) amantes tentam tatear por entre os escombros do que já foi uma relação familiar. Ao longe chegam-lhes os ecos de uma civilização aturdida pelo vírus, mas, submersos como estão nos seus próprios dramas, tudo lhes parece excessivamente distante.

PUB

Vivem num limbo sem nome, perdidos entre tempos: se os seus corpos habitam um espaço exíguo feito de passado, como despojos de um relacionamento arqueológico, a planura dos dias, sempre iguais e sempre monótonos, consegue anular o presente e o futuro.

Em tempo real, como se de um diário se tratasse, o narrador vai relatando o espanto com que assiste aos avanços do que parece saído do argumento de um (mau) filme de ficção científica: do estado de negação de alguns líderes populistas à paranoia securitária e higienizante de outros, todos se mostram incapazes de estar à altura da importância histórica do momento, optando por refugiar-se em medidas avulsas com as quais tentam sobretudo salvar a sua própria pele.

Com o mundo lá fora, prestes a desabar a qualquer momento, o casal por fim descobre que, por mais insanáveis que pareçam os seus problemas, o amor não está destinado a ser um campo de batalha sem fim.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG