Banda desenhada

O regresso dos Prémios Uderzo

O regresso dos Prémios Uderzo

Três dos quatro livros distinguidos estão editados em Portugal.

Os vencedores dos Prémios Albert Uderzo foram anunciados em Paris, durante uma sessão que decorreu no Museu Maillol, tendo por cenário a exposição "Uderzo, comme une potion magique".

O grande vencedor foi "Apesar de tudo" do espanhol Jordi Lafebre (que tem edição portuguesa da Arte de Autor), contemplado com o Prémio Uderzo para Melhor Álbum de Banda Desenhada do Ano, que tem uma dotação de 6 mil euros. Com um traço dinâmico, expressivo e muito simpático, Lafebre explana uma terna história de amor platónico ao longo de décadas, entre Zeno, sonhador, livre-pensador e viajante inveterado, e Ana, política bem-amada e mulher de família. O que distingue a história é o facto de ser narrada do fim para o princípio e culminar com um notável artifício narrativo só possível em banda desenhada.

Já o Prémio para Melhor Desenho (5 mil euros) contemplou dois autores ex-aequo: Olivier Taduc por "Le réveil du tigre", e Frank Pé por "A fera". A edição portuguesa deste último, pel'A Seita, estará à venda a partir de hoje no Amadora BD, que decorre até dia 1 de novembro, no Ski Skate Amadora Park, onde o autor estará presente nos dias 23 e 24 para apresentação do livro e sessões de autógrafos. "A fera" é uma versão muito pessoal do Marsupilami, o fantástico animal introduzido por Franquin nas aventuras de Spirou, que conta com argumento de Zidrou e um fabuloso desenho realista de Frank Pé, situando o animal nos anos 1950.

Finalmente, o Prémio para a Melhor Contribuição para a nona arte (5 mil euros) coube a Xavier Coste pela sua adaptação a banda desenhada de "1984", o romance distópico de George Orwell, que a Relógio D"Água acaba de editar em português.

PUB

Os vencedores foram anunciados na presença de Sylvie e Ava Uderzo, respetivamente filha e viúva do desenhador falecido em março de 2020, e o júri foi composto por Karine Albert, livreira responsável da Fnac; Guillaume Canet, ator e realizador; Christophe Levent e Charles de Saint-Sauvent, jornalistas; Karim Mahouf, humorista; Hervé di Rosa, pintor; e Frédéric Vidal, da redação da revista especializada em BD "Casemate".

Instituídos em 2003 "para criar pontes entre os autores de BD e Uderzo", estes prémios tinham sido suspensos em 2008 na sequência de um grave contencioso entre Sylvie e o pai relacionado com a propriedade das edições Albert René, mas foram agora retomados para evocar a memória do desenhador. Ao longo das primeiras edições foram distinguidos grandes autores como Moebius, Roba, Franq, Jodorowsky, Van Hamme ou Tibet.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG