Música

Pimentinha, aliás Elis Regina, morreu há 40 anos

Pimentinha, aliás Elis Regina, morreu há 40 anos

O mundo chorou a perda de uma das maiores vozes brasileiras. Elis Regina morreu no auge da carreira, traída por uma mistura fatal de cocaína e álcool. Tinha 36 anos e 18 álbuns editados.

Elis Regina nasceu a 17 de março de 1945 em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, no Brasil. Era neta de imigrantes portugueses. Com apenas 11 anos, começou a sua carreira num programa de rádio local. Cinco anos depois, lançava o primeiro disco: "Viva a brotolândia". Morreu há 40 anos.

Começou a espalhar o seu nome no início da década de 60, mas foi em 1965 que fez a grande revelação na primeira edição do Festival Nacional de Música Popular Brasileira, com o tema "Arrastão", dos músicos Edu Lobo e do poeta Vinícius de Moraes (1913-1980), que mais tarde apelidou a
cantora de "Pimentinha", tentativa de definir a aparência de miúda e a personalidade explosiva e imprevisível.

No mesmo ano, começou a apresentar o programa "O fino da bossa" ao lado do cantor Jair Rodrigues (1939-2014), com quem editou o álbum "Dois na bossa", o primeiro álbum brasileiro a vender um milhão de cópias. E 13 álbuns depois, viria a gravar, em 1974, um dos seus álbuns mais conhecidos "Elis & Tom", com o músico Tom Jobim (1927-1994), o autor do célebre do tema "The girl from Ipanema", que dez anos antes recusara uma colaboração com Elis Regina, afirmando que ainda era muito "provinciana".

Relembrada pelo seu lado político, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores. Em 1978, criou a Associação de Músicos e Intérpretes (ASSIM), para proteger os direitos dos artistas.

Foram 18 anos de carreira, 18 álbuns de estúdio e seis álbuns ao vivo. Faleceu no auge da sua carreira, em 1982, com 36 anos, vítima de uma overdose de álcool e drogas. Ficaram três filhos, João Marcelo Bôscoli, do primeiro marido, o músico Ronaldo Bôscoli, e Pedro Camargo Mariano e Maria Rita, do segundo marido, o pianista César Camargo Mariano.

As Cartas Guardadas

PUB

Foram muitas as cartas que Elis Regina partilhou com amigos, desde lamentos a confissões. O site GZH partilhou alguma delas. "Meus amigos são idiotas, minha mãe, estúpida, eu não sei de nada, nem sou mulher. Por que, então, não viver em paz? (...) Não me queixo do trabalho. Só me queixo da falta de paz", lê-se numa das cartas escritas à antiga professora Aida Ferrás. Já ao amigo e jornalista Pedro Sirotsky, queixa-se das pessoas com "papos interessados de gente pouco interessante".

Pimentinha é muitas vezes comparada às lendárias Billie Holiday (1915-1959), Ella Fitzgerald (1917-1996) e Sarah Vaughan (1924-1990), é relembrada pelos temas de sucesso "O bêbado e o equilibrista, um "hino dos retornados" que voltavam do exílio, no período da ditadura militar brasileira, e ainda, "Águas de
março", "Como nossos pais" ou "Romaria".

Elis Regina é também a inspiração de muitos artistas, incluindo da islandesa Björk, que escreveu o tema "Isobel" e dedicou-lhe.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG