Cultura

Presidente da República e primeiro-ministro não visitaram Capital Europeia da Juventude

Presidente da República e primeiro-ministro não visitaram Capital Europeia da Juventude

A um dia do encerramento oficial, a Capital Europeia da Juventude Braga 2012 apenas recebeu 700 mil dos 2,2 milhões de euros do financiamento comunitário e acaba sem ter a "visita" do primeiro-ministro e do presidente da República.

Em entrevista à agência Lusa, o presidente da Fundação Bracara Augusta, Hugo Pires, criticou a ausência das duas figuras de Estado, apontando a "cor partidária" da Câmara Municipal de Braga, governada por uma maioria socialista, como possível justificação.

O responsável admitiu ainda que os atrasos na transferência das verbas comunitárias a cargo da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) levaram ao adiamento de alguns momentos da programação de Braga 2012.

Ao longo do ano foram várias as vezes que os responsáveis pela Capital Europeia da Juventude (CEJ) se manifestaram "apreensivos" e "preocupados" pelos "sucessivos atrasos" na contratualização de projetos submetidos ao Quadro de Referência Estratégia Nacional (QREN).

"Dos 2 milhões e 200 mil euros que tínhamos para receber, falta receber 1 milhão e 800 mil. E estamos a chegar ao fim do projeto. Estes atrasos obrigaram-nos a reprogramar e adiar alguns projetos", revelou.

Projetos esses, explanou, "ligados ao associativismo e empreendedorismo" que tiveram que ser "reagendados".

Confrontado com a ausência do Presidente da República e do primeiro-ministro ao longo do ano, num evento de caráter europeu apresentado como um "desígnio nacional", Pires lamentou essas ausências e apontou a "pouca vontade" e ceticismo dos governantes.

"É óbvio que precisávamos de algum peso institucional", admitiu, ressalvando, no entanto a presença do secretário de Estado da Juventude, Alexandre Mestre, ao longo do ano.

Ainda sobre as ausências de Cavaco Silva e Passos Coelho, o responsável por Braga 2012 acusou assim os referidos governantes de "terem tido pouca vontade, se calhar porque a cor partidária [na autarquia] é diferente da do Governo".

No entanto, para Hugo Pires as referidas ausências não desvirtuaram o caráter do evento.

"É a primeira vez que se realiza em Portugal [a CEJ] e é um evento único para a juventude. Este evento chegou a muitos jovens que serão os líderes de amanhã e espero que atitude deles mude em relação aos líderes de hoje que nunca acreditaram neles", afirmou.

Outras Notícias