Fernando Pessoa

Publicados cinco contos inéditos de Fernando Pessoa

Publicados cinco contos inéditos de Fernando Pessoa

Cinco contos inéditos de Fernando Pessoa são editados na coletânea "O Mendigo e outros contos" que a Assírio & Alvim publica esta semana, com uma introdução de Ana Maria Freitas, que tem estudado o espólio do escritor.

Os contos inéditos são: "O Filatelista", "Empresa Fornecedora de Mitos", "A Perversão do Longe", "O Mendigo" e "Num Bar de Londres". Os restantes, reunidos pela primeira vez em livro, foram já publicados em França pela editora La Différence e, em Portugal, pela revista Mealibra, do Centro Cultural do Alto Minho.

Os contos "Memórias de um Ladrão", "Alegações Finais", "O Gramofone" e "O Papagaio" só foram publicados na tradução francesa.

"Nesta área, que agora começa a ser desbravada, pouco tem sido publicado de novo. Esta é a primeira publicação de um conjunto de contos de Pessoa em Portugal", disse à Lusa fonte da editora.

Na introdução, Ana Maria Freitas afirma que, nesta obra, "o leitor vai deparar-se com pequenas narrativas centradas numa ideia ou conceito: questões filosóficas, hipóteses metafísicas, observações sobre a sociedade do seu tempo, temas da tradição esotérica".

"A prosa ficcional do autor é variada e abarca muitos subgéneros narrativos: contos intelectuais, antíteses, contos de raciocínio, crónicas anormais, contos de um doido, contos Íbis, contos fantásticos, novelas policiárias, contos das experiências amorais, contos filosóficos, fábulas para adultos, fábulas para nações jovens, fábulas políticas, histórias fantásticas e de aventuras", escreve a investigadora do Instituto de Estudos sobre o Modernismo, da Universidade Nova de Lisboa.

Os primeiros textos de ficção de Pessoa surgem em "jornaizinhos" manuscritos da sua adolescência, adianta a investigadora que exemplifica: "Em 1902, no n.º 5 de O Palrador, o Dr. Pancrácio, primeira personalidade literária da ficção, apresenta um pequeno conto da sua autoria, intitulado 'Desapontamento', com a indicação 'Do livro Brancos e Pretos'".

PUB

As personalidades literárias de Pessoa

Tal como na poesia, Fernando Pessoa criou personalidades literárias "com a função de assumir a autoria". Surgem nomes como David e Lucas Merrick, Charles Robert Anon, Horace James Faber, Alexander Search, Vicente Guedes, Pêro Botelho, Bernardo Soares, "além de alguns autores pontuais que Pessoa imaginou para uma ou outra ficção".

Por exemplo, entre 1903 e 1904, "David Merrick aparece como autor de um conjunto de projetos com o título geral de 'Books to Come', previsão de toda uma obra que abarca vários géneros e em que os contos [são], 20 deles, 'short and pathetic', e outros mais longos".

Algumas destas personagens literárias, Pessoa trouxe-as para Lisboa, em 1905, quando partiu de Durban, na África do Sul, enquanto "os dois Merrick, David e Lucas, um suposto irmão imaginado, desaparecem e dão lugar a duas personalidades que dividem a obra entre si", esclarece a investigadora.

Charles Robert Anon e Horace James Faber continuam com Pessoa em Lisboa. "Charles Robert Anon seria o autor da poesia e dos ensaios, enquanto Horace James Faber seria a personalidade criada para autor das 'Tales of a Reasoner', as histórias policiais em inglês".

Curiosamente, aponta Ana Maria Freitas, "Anon vai dando lugar a Alexander Search, autor, em 1907, do conto 'A Very Original Dinner'".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG