Premium

Rebelião musical contra a angústia dos dias

Rebelião musical contra a angústia dos dias

Três importantes bandas rock, de três gerações diferentes, lançam os seus novos discos num espaço de três meses. Pearl Jam, The Strokes e Tame Impala poderão ser bons estímulos nesta fase difícil - energia, rebelião, vontade de ir para a varanda saracotear os ossos.

Os herdeiros dos Mother Love Bone, banda seminal do movimento grunge de Seattle, preparavam uma série de eventos especiais, que incluíam realidade aumentada e projeções em 200 cinemas, para assinalar o seu regresso aos discos, sete anos depois do último "Lightning bolt". Tudo arruinado pelo coronavírus. Seattle é apenas mais uma das cidades "atingidas duramente, onde é possível testemunhar a velocidade com que esta situação desastrosa se espalha", escreveu o vocalista Eddie Vedder numa mensagem aos fãs, em que não poupa críticas à falta de "mensagens claras" por parte da administração americana relativamente à segurança da população.

"Gigaton", 11.º registo dos Pearl Jam, lançado ontem, usa o nome de uma medida científica que determina o derretimento das calotas polares e ostenta na capa a imagem de paredes geladas na Noruega. É um álbum que resulta de tempos "emocionalmente negros e confusos", disse o guitarrista Mike McCready, mas é também "um mapa de viagem excitante e experimental que conduz à redenção pela música."