Porto

Viagem sensorial para celebrar 88 anos de Rivoli

Viagem sensorial para celebrar 88 anos de Rivoli

"Boa tarde, bem-vindos ao Teatro Rivoli". De microfone na mão e como mestre de cerimónias, Tiago Guedes, diretor artístico do Teatro municipal do Porto, recebeu centenas de pessoas que se quiseram juntar-se à festa que idealizou para celebrar o 88.º aniversário do teatro.

A premissa de uma das propostas do programa era interessante. Cada grupo, dividido por ordem alfabética, tinha um assistente que deveria seguir. Quatro espetáculos - aproximadamente com a mesma duração - decorriam em simultâneo. No final, os grupos trocavam. "O nosso grupo é o melhor", acicatavam os amigos que se encontravam nos cruzamentos. Não podemos, factualmente, saber se a ordem dos espetáculos alteraria a satisfação do público.

"Phonopticon", da Sonoscopia, projeto de música experimental, decorria no Foyer do Pequeno Auditório. A disposição concêntrica dos músicos e o espelho no teto permitiam uma visão a 360 graus. Raquel, com filtros sociais proporcionais à sua curta idade, estava estupefacta: "Isto são bolas de água a fazer música e um baterista?", perguntava, como quem canta uma música, com auscultadores postos. E eram, no meio da panóplia de outros sons.

Seguia-se uma proposta de dança de Ana Isabel Castro. "Marengo", que já tinha passado no teatro no âmbito do Festival Dias da Dança, exibia uma delicadeza que deixava o público a flutuar no ar, uma estranha memória de Blanca Li, como se Ana Isabel Castro não fosse de tempo nenhum. "Cinco estrelas, este é para dar cinco estrelas", repetia Vanessa a um amigo.

A maior surpresa estava por chegar, no Understage. Daniel Seabra, no seu estado de pupa (passagem de larva a borboleta), oferecia uns "óculos do amor" ao público, onde toda a luz refletia em corações. Não que fosse necessário: o espetáculo dele é obrigatório. A encerrar a viagem, "Horto", uma elegia ao amor, em que quem ama cuida para o amado floresça.

Mais espetáculos

O circuito repete-se hoje, às 16 horas, e é apenas um dos pontos da agenda da festa. Para os mais pequenos, o programa começa às 11.30 horas com "Narrow", dos belgas Laika. Às 14.30 horas, será a última récita de "Little B", das Visões Úteis. A festa encerra com "Ash", da bailarina indiana Shantala Shivalingappa com o francês Aurélien Bory, às 17.30 horas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG