Sugestões

Vinhos que superam a escala de 0 a 20

Vinhos que superam a escala de 0 a 20

O melhor Alvarinho branco e um tinto de 2011, um dos melhores anos de sempr

Estes dois vinhos merecem, na escala de 0 a 20, um vinte e tal pela sua invulgar qualidade. Trata-se do branco Alvarinho Parcela Única"17, e do tinto Herdade do Mouchão tonel 3- -4, da colheita 2011, onde conheço David Ferreira, responsável pela exportação.

Alvarinho Parcela Única | Branco | 2017 |

Quando se fala de Alvarinho o nome que me surge de imediato é Anselmo Mendes, o Senhor Alvarinho, como é conhecido pelos enólogos da minha geração. De vez em quando surpreende-nos com algo extraordinário. A escolha certa dos solos, com a exposição certa, idade avançada (22 anos), o que indica o saber esperar para que a planta dê todo o seu potencial e o estágio em garrafa (um ano) antes de ser colocado no mercado. Escolhi-o pela originalidade, subtil suavidade, elegância com leve toque de carvalho francês, acidez-mineralidade muitíssimo bem equilibrada e com complexidade excecional mas nada exagerada. O melhor exemplo de um grande Alvarinho.

Mouchão Tonel 3-4 | |Tinto | 2011

Nos anos 80, provei um Herdade do Mouchão de 1966 ou 1969, não me recordo, e fiquei rendido à extraordinária qualidade do vinho. Já neste século voltei a provar, agora tonel 3-4, e fiquei entusiasmado. Ainda não estava engarrafado, liguei ao David e disse: "quando lançares o 2011, diz-me, quero comprar-lho". Tinha certeza que seria um grande vinho a nível mundial, especialmente sendo o 2011, talvez a colheita melhor dos últimos 50 anos, à data de então. Não me enganei.

Este vinho é feito à antiga, sem desengace, fermentado em lagares com pisa a pés e estágio em tonéis de carvalho português, mogno e macacaúba durante 36 meses. Vinhas velhas de Alicante Bouschet plantadas em solos argilo-arenosos de qualidade baixa-média. A sua elegância, firmeza, complexidade sem ser em demasia, profundidade e subtileza, é algo fora de normal no seu conjunto. Daqui a 20 anos deve ser algo extraordinário.

Todos os domingos, na edição impressa, o JN dá-lhe sugestões de vinhos.