Brasil

Chevron não contestará determinação de suspender actividades temporariamente

Chevron não contestará determinação de suspender actividades temporariamente

O presidente da Chevron para América Latina e África, Ali Moshiri, declarou, esta quinta-feira, que não irá contestar a decisão da Agência Nacional do Petróleo (ANP) que determinou a suspensão temporária das actividades da empresa no Brasil.

Segundo o executivo, a empresa já pretendia interromper as suas atividades de perfuração no campo de Frade, na Bacia de Campos, para a identificação das causas do acidente que levou ao derrame de óleo iniciado há 17 dias.

"Não planeamos retomar a perfuração até entender completamente a situação", afirmou Moshiri, citado pela imprensa brasileira, antes de se reunir com o ministro de Minas e Energia, Edson Lobão.

Na quarta-feira, a ANP proibiu a petrolífera norte-americana de furar novos poços no Brasil até ao fim das investigações sobre o derrame de petróleo que ocorreu numa plataforma operada pela empresa, a 120 quilómetros da costa do Rio de Janeiro.

A agência fiscalizadora brasileira justificou a decisão com base no resultado de análises e observações técnicas que terão "evidenciado negligência" por parte da Chevron.

O presidente da Chevron no Brasil, George Buck, também participa na reunião com o ministro de Energia brasileiro, que decorre esta tarde, em Brasília.