Brasil

Vasco da Gama venceu Copa do Brasil com Éder Luís em destaque

Vasco da Gama venceu Copa do Brasil com Éder Luís em destaque

O Vasco da Gama sagrou-se campeão da Copa do Brasil pela primeira vez na sua história, mesmo com a derrota por 3-2 no terreno do Coritiba. O "Gigante da Colina" beneficiou-se do resultado da primeira-mão, 1-0, em São Januário. "O campeão voltou", entoavam os adeptos após o fim da partida.

O Vasco da Gama pôs fim a um jejum de oito anos sem conquistar um título do primeiro escalão brasileiro após vencer a Copa do Brasil, beneficiando-se de ter marcado mais golos fora de casa.

O capitão da equipa, Fernando Prass, com a sua habitual camisola verde e vermelha, que homenageia as raízes portuguesas do clube, foi o primeiro futebolista do Vasco a levantar o cobiçado troféu. Alecsandro marcou nas duas mãos e foi um dos principais heróis da conquista vascaína.

O triunfo no segundo maior torneio do país vale uma vaga ao emblema carioca na próxima edição da Taça Libertadores da América, a maior competição de clubes da América do Sul. No último domingo, as duas equipas enfrentaram-se pelo Brasileirão e o "Coxa" goleou o Vasco por 5-1. Na ocasião, as duas equipas entraram em campo com os reservas.

Coritiba termina a primeira parte a vencer por 2-1, de virada.

O Coritiba começou bem a partida, pressionando a saída de bola dos vascaínos, que não não tinham tempo para respirar. A melhor oportunidade dos paranaenses surgiu logo aos oito minutos, na sequência de uma bola parada. Jonas, cobrando livre, obrigou Fernando Prass, ex-União de Leiria, a espalmar a bola, que ainda tocou no poste, para canto. O lance empolgou os adeptos locais, que passaram a incentivar ainda mais a equipa.

O golo do Coritiba parecia questão de tempo. Mas o Vasco conseguiu fazer o 1-0 aos 11 minutos, numa jogada que envolveu três futebolistas que passaram pelos relvados portugueses. Diego Souza, ex-Benfica, deu um belo passe para Éder Luis, que está emprestado ao Vasco pelos encarnados. O avançado cruzou a bola para Alecsandro, ex-Sporting, que rematou em força para deixar os cariocas perto do título. O resultado obrigava o Coritiba a marcar três golos para sagrar-se campeão.

Assim como no Rio de Janeiro, "Coxa" sentiu muito o golo de Alecsandro. Os jogadores ficaram nervosos e a torcida impaciente. Quando já se ouviam assobios das bancadas, o treinador retirou o volante Marcos Paulo, escalado para ajudar na marcação, e colocou o avançado Leonardo em campo.

Um minuto depois da substituição, o Coritiba chegou ao empate. Davi cruzou da esquerda, Jonas cabeceou para o segundo poste e o avançado Bill só encostou, aproveitando uma falha de marcação da defesa cruz-maltina. O golo trouxe o Coritiba de volta à partida. Já perto do intervalo, Davi rematou em força, sem chance para Fernando Prass, 2-1 (44 m). O Coritiba precisava de apenas mais um golo para ganhar a Copa do Brasil.

Vascaínos sofreram até ao fim

Os jogadores das duas equipas voltaram muito nervosos para a segunda parte. Bill, avançado do Coritiba, poderia ter sido expulso se o árbitro, que teve alguma dificuldade para serenar os ânimos, fosse mais rígido. Com 55 minutos, o juiz da partida já tinha marcado 34 faltas.

O Vasco contou com a ajuda do guarda-redes Édson Bastos para empatar a partida. Éder Luis rematou de fora da área, ao meio da baliza, a bola não desviou em ninguém e o guardião alvi-verde aceitou. Mais uma vez o "Coxa" precisava de dois golos para conquistar o torneio.

William, num remate espectacular de fora dá área, pôs o Coritiba em vantagem pela segunda vez. O golo renovou as esperanças da equipa paranaense, que partiu com tudo para cima do Vasco. Os cariocas fecharam-se à espera de sair nos contra-ataques em velocidade, apostando na individualidade de Éder Luis, o melhor jogador em campo.

O avançado Leonardo e o defesa Dedé enroscaram-se dentro da área cruz-maltina, naquele que foi o lance mais polémico do jogo. Os adeptos do Coritiba reclamaram penálti. Mas o árbitro mandou a jogada seguir. Nos minutos finais, o "Coxa" praticamente se instalou dentro do campo de defesa do Vasco. No último lance de perigo, até o guarda-redes Édson Bastos foi à área dos cariocas para tentar cabecear.

Mas, apesar da derrota, foram os adeptos do Vasco que comemoraram quando Sálvio Spniola pediu a bola e encerrou o jogo. "O campeão voltou", gritavam os cerca de quatro mil vascaínos que assistiram o jogo no "Couto Pereira". De Norte a Sul do país, a festa do emblema do famoso navegante português não tem hora para acabar.