Futebol

A evolução do PSG: da quase descida de divisão à contratação de Messi

A evolução do PSG: da quase descida de divisão à contratação de Messi

O PSG nem sempre foi um clube multimilionário capaz de contratar as maiores estrelas do futebol mundial e dominar as competições em França. Há bem pouco tempo, lutava para não descer de divisão e habitualmente terminava a meio da tabela. O que mudou? Uma injeção de muitos milhões de euros.

Alguns anos antes de ser uma equipa com os melhores jogadores do mundo, de conquistar praticamente todos os títulos em França e ser uma ameaça na Europa, o PSG era uma formação com poucas possibilidades financeiras, que por norma terminava a meio da tabela da Ligue 1 e tinha um plantel modesto.

Apenas há 13 anos, os "Les Parisiens" precisaram de vencer a última partida do campeonato para se manterem na primeira divisão. Em 2007/2008, o Paris Saint-Germain teve uma época complicada. À entrada para a 36.ª e antepenúltima jornada, o clube encontrava-se no 18.º lugar, que valia a descida de divisão. Com um empate no jogo seguinte, o clube apenas garantiu a permanência na Ligue 1 no último encontro da época, ao vencer o Sochaux por 2-1.

Nas três temporadas seguintes, o investimento foi discreto, à imagem daquilo que era a realidade do clube.

Investimento multimilionário

Mas em 2011, o PSG foi comprado pelo fundo de investimento Catar Sports Investments, detidos pelo Xeique Tamim bin Hamad Al Thani, primeiro ministro do Catar. À entrada para a época 11/12 o plantel sofreu várias mudanças, que custaram mais de 100 milhões de euros. Alguns dos nomes mais sonantes foram Sirigu, Pastore (42 milhões de euros), Thiago Motta, Gameiro, Matuidi e Maxwell. Apesar do investimento, os parisienses ficaram em segundo lugar na Ligue 1, atrás do Montpellier.

PUB

No ano seguinte, o clube comprou grandes estrelas do futebol como Ibrahimovic, Thiago Silva, Lucas Moura, Lavezzi e Beckham para continuar a construir uma equipa vencedora e uma base forte. Conquistou o campeonato com mais 12 pontos que o Marselha, segundo classificado.

Ao longo dos anos, o PSG foi contratando peças-chave para reforçar o plantel e continuar a procurar dominar as competições internas. Nomes como Cavani, Marquinhos, David Luiz, Di María e Draxler fizeram parte de uma das equipas mais fortes da Europa. Em 2016/2017, perdeu o campeonato para o Mónaco e decidiu que estava na altura de atacar o mercado em força.

Neymar foi contratado ao Barcelona por 222 milhões de euros, valor que tornou o brasileiro como o jogador mais caro de sempre. Mbappé foi emprestado pelo Mónaco aos parisienses com opção de compra que alcançou os 145 milhões de euros, pagos na época seguinte. Esta frente de ataque tornou-se numa das mais temíveis do mundo e o PSG manteve a intenção de ir contratando mais jogadores. Paredes, Kehrer, Icardi, Sarabia, Herrera, Gueye e Danilo são alguns exemplos de atletas que trouxeram profundidade à equipa.

Já este ano, o PSG assinou com vários dos melhores jogadores do mundo e apenas pagou por um deles. Hakimi custou 60 milhões de euros (contratado ao Inter de Milão), mas Sérgio Ramos, Donnarumma, Wijnaldum e agora Messi reforçaram a equipa a custo zero, embora tenham elevados salários e obriguem ao pagamento de comissões aos responsáveis pelos jogadores.

Troféus conquistados na Era Milionária

O plano do novo dono do PSG era construir uma das melhores equipas do mundo e conquistar troféus, sobretudo a tão prestigiada Liga dos Campeões. Até 2011, ano em que houve o forte investimento por parte do fundo do Catar, o clube tinha conquistado 16 títulos. Era então uma formação de escalão médio, não se aproximava de outras grandes equipas de França. Por exemplo, o Lyon venceu 18 troféus no mesmo período mas conquistou sete campeonatos, enquanto o PSG apenas dois. O Marselha é dos mais titulados no país, com 23 títulos, destacando-se as nove Ligue 1 e uma Liga dos Campeões.

No entanto, tudo mudou em 2011. Desde a época 11/12 o PSG foi campeão francês sete vezes; conquistou seis Taças de França, seis Taças da Liga e oito Supertaças, estabelecendo uma forte hegemonia em França com 27 troféus em dez temporadas. Esteve perto de alcançar o maior objetivo pretendido, quando em 2020 chegou à final da Liga dos Campeões, tendo sido derrotado pelo Bayern Munique. Na época passada, foi eliminado nas meias-finais.

Projeção futura

A ambição de conquistar a Liga dos Campeões motivou um investimento cada vez mais forte nos últimos anos, de forma a reforçar a equipa para alcançar o objetivo máximo. Desde que o clube é detido pelo Catar Sports Investment, o PSG só chegou à final da prova milionária por uma ocasião, sendo que na época passada conseguiu o segundo melhor registo: as meias-finais.

Mas parece que esta época a equipa está mais forte que nunca, com a contratação de Messi. Chega à capital francesa aquele que é um dos melhores jogadores do mundo e que pode transformar por completo a equipa. Para além disso, a parceria Neymar e Messi já deu frutos em Barcelona, e agora pode trazer o tão pretendido troféu da Liga dos Campeões para França.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG