Polémica

A guerra de Salvio com a ex-mulher continua

A guerra de Salvio com a ex-mulher continua

Antigo extremo do Benfica já se apresentou ao Ministério Público.

O caso de Eduardo Salvio conheceu esta sexta-feira mais desenvolvimentos. O argentino contou a sua versão dos acontecimentos, na sequência de ter sido acusado pela ex-mulher Magali Aravena de a ter atropelado em Buenos Aires, Argentina, na madrugada de quinta-feira.

"Gostaria de esclarecer que nos separámos no início de março. Tivemos um jantar em que a separação ficou clara em bons termos. No início, morámos juntos, mas separados, cada um dormia em quartos diferentes com os meninos. Ela finalmente mudou-se cerca de 12 dias depois", começou por dizer ao Ministério Público, citado esta sexta-feira pelo diário "Olé".

O antigo futebolista do Benfica explicou que a relação com Magali Aravena começou a piorar assim que Sol Rinaldi, alegadamente nova companheira do argentino, publicou fotografias com ele no Instagram.

"Imediatamente liga-me minha ex-mulher. Fui conversar para a casa de banho. Disse-me: 'filho da p***, vou arruinar-te a carreira, vais jogar para a Nigéria, tira-a da minha casa'. Pedi, por favor, que me deixasse viver a minha vida e foi aí que comecei a ouvir os meus filhos e ela disse-lhes: 'mudem de roupa, vamos ver o vosso pai, a m**** do vosso pai', disse.

PUB

Quanto à acusação de atropelamento, Salvio explicou que Magali Aravena tentou agredi-lo. "Quando ela chegou onde eu estava, começou a atacar-me e a partir o carro. Saí, dei a volta e fiquei na curva. Eu nunca fugi. Eu fiquei na curva. No início do vídeo vê-se alguém a cair, é ela que, depois de dar três pontapés, saltou para trás. Ela saltou, não caiu. Quando ela saltou, eu fiz marcha-atrás para sair e ela veio a correr em direção ao carro, ao lado da janela traseira do lado direito", referiu.

O argentino acrescentou que, após o incidente, recebeu uma chamada telefónica de Aravena, acusando-o de a querer matar. "Ela ligou-me e disse que eu a atropelei, que a magoei, que queria matá-la e deixei claro que nunca foi assim. Ela disse que só podia ficar com ela, que queria que nós quatro ficássemos juntos e não podia aceitar que eu estivesse com outra mulher".

Magali Aravena refutou as declarações de Eduardo Salvio, através de mensagens do Whatsapp no programa televisivo "LAM", da Argentina. "Perdoem-me, mas não vou falar porque os meus filhos estão muito afetados e tenho que pensar neles. Em nenhum momento foi minha intenção que isto viesse a público. Eu nunca quis bater em ninguém, apenas pedi que ele saísse do carro, mas acabou por me arrastar para a frente e para trás. Jamais tive um pau para lhe bater. Separámo-nos há três semanas e há uma semana mudei-me com os meus filhos. Nunca lhe quis bater, estive 13 anos com ele. Espero que apareçam mais vídeos, incluindo os gravados por quem ia no carro", começou por explicar.

Entretanto, a justiça argentina aplicou várias medidas de coação a Eduardo Salvio. O futebolista não pode estar a menos de 300 metros de Magali Aravena, sair do país sem autorização prévia e conduzir durante um mês.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG