Futebol

A Liga regressa hoje ao ativo. Saiba o que se destaca em cada equipa

A Liga regressa hoje ao ativo. Saiba o que se destaca em cada equipa

A Liga portuguesa está de volta esta sexta-feira e com ela surgem as expectativas para cada equipa, do que podem fazer e aquilo que as caracteriza. Este guia serve para entender aquilo em que cada conjunto se pode destacar na nova época.

Arouca - Força defensiva

O Arouca é uma das novidades da Liga portuguesa para a temporada 2021/2022. Os comandados de Armando Evangelista venceram o Rio Ave no play-off de acesso à primeira divisão e estão de regresso ao principal escalão do futebol português quatro anos depois.

A base da equipa mantém-se, com o clube a ser comedido na contratação de reforços. Ainda assim, destaca-se o poderio defensivo, que se mantém da última época, em que sofreram apenas 25 golos. Tendo em conta as exibições na Segunda liga, o destaque do Arouca passará pela forma como tenta pressionar o adversário para condicionar o jogo.

Será curioso perceber como se vai sair o plantel no principal escalão do futebol português, visto que teve poucas mexidas. No entanto, com aquilo que o Arouca mostrou o ano passado, o momento defensivo deverá ser um dos aspetos que Armando Evangelista terá de se preocupar menos.

Belenenses SAD - Falta de opções ofensivas

PUB

O Belenenses SAD de Petit é uma equipa que por norma adota uma postura em campo mais defensiva do que ofensiva. É prioritário não sofrer golos ao invés de os marcar, o que se prova pelo facto de ter sido o pior ataque do campeonato (a par com o Rio Ave) e uma das melhores defesas.

Para a nova temporada o clube não parece ter procurado contratar reforços para mudar esta ideia. O extremo Pedro Nuno e o avançado Alioune Ndour foram as entradas para o ataque dos azuis, sendo que a outra opção mais ofensiva já presente na equipa na época passada é Cassierra. Alioune Ndour tem dado boas indicações na pré-época e poderá ser uma arma interessante para a B-SAD.

Benfica - Limar as arestas

Após ter feito um avultado investimento em melhorias no plantel e ter contratado Jorge Jesus para o comando técnico, as águias não conquistaram títulos e não garantiram, diretamente, o acesso à Liga dos Campeões, na época 2020/2021.

Para esta temporada, o clube fez ajustes para aproximar a equipa do sucesso. A contratação de João Mário parece estar a revelar-se correta, tendo em conta que é um jogador com capacidade para segurar bola e organizar e pensar o jogo desde posições recuadas.

Para o meio campo entrou também Meité, médio com características mais defensivas, numa posição onde o Benfica já tem Weigl e Florentino. No entanto, o francês tem um perfil diferente dos restantes centro campistas, pela forma explosiva como progride com bola. No ataque, Gonçalo Ramos fez uma pré-época bem conseguida e este poderá ser o ano de afirmação do jovem avançado. Apesar dos golos marcados, Jorge Jesus parece nunca ter confiado em Seferovic ou Darwin, tendo em conta a rotação feita entre ambos na época passada e as contratações de Rodrigo Pinho e Yaremchuk neste mercado.

Yaremchuk esteve em bom nível no Euro 2020 ao serviço da Ucrânia e mostrou ter vários recursos: sabe jogar de costas para a baliza, aparecer nos espaços e tem uma facilidade em finalizar acima da média.

Boavista - Novas ideias e os jovens

2020/2021 não correu da melhor forma para o Boavista. Lutou pela permanência até à última jornada, teve uma grande série de jogos sem vencer no início do campeonato, mudou de treinador a meio do caminho e não conseguiu lutar por um lugar próximo dos europeus.

Esta temporada, o novo técnico João Pedro Sousa está a apostar em jovens e algumas promessas da formação. Tiago Morais já tinha dado algumas indicações positivas no passado, mas nos jogos inaugurais da Taça da Liga mostrou que pode vir a ser uma agradável surpresa dos axadrezados, tendo marcado dois golos frente ao Portimonense.

Luís Santos foi aposta do treinador para os dois encontros da competição, tendo inclusive marcado frente ao Marítimo, e poderá ser uma opção para o ataque, assim como Pedro Malheiro, que cumpriu os 90 minutos contra os madeirenses e Portimonense. Tomás Reymão é um jovem que pode deixar os adeptos do Boavista com água na boca: passou pela formação no Chelsea, Fiorentina e Wolves e deu boas indicações nos encontros da Taça da Liga.

Braga - Reforços para manter competitividade

Os planos do SC Braga são simples: o mínimo aceitável é o quarto lugar, uma campanha sólida na Liga Europa, tirar pontos aos "grandes" e ser uma equipa competitiva e difícil de bater. O treinador Carlos Carvalhal esclareceu esta questão após o jogo com o Sporting.

"O Braga vem de uma época das melhores da sua história. Este ano queremos fazer as coisas da melhor forma, mas temos que ter as expectativas no devido lugar. O nosso posicionamento é sempre com os serviços mínimos no quarto lugar e tentar que algum deles (dos "grandes") tenha um ano menos bom para os superar, um ou dois pois o Braga também já ficou em segundo, mas os grandes estão no seu máximo e as coisas ficam mais difíceis. É preciso pôr os pés no chão. O objetivo mínimo é o quarto lugar, daí para baixo é uma péssima época, se for acima do quarto é uma boa época".

Para atacar estes objetivos o Braga contratou alguns reforços importantes. Tiago Esgaio vem colmatar a saída do irmão Ricardo; Paulo Oliveira é mais uma opção para o centro da defesa, área que teve alguns problemas no ano passado; Lucas Mineiro traz outras características e qualidade ao meio campo; Mario Gonzalez foi um dos melhores marcadores da Liga na época anterior e poderá ser a grande referência do ataque arsenalista. Caso fique no clube, Fábio Martins também pode ser uma opção de qualidade para Carvalhal. Os bracarenses têm ainda Francisco Moura e Iuri Medeiros a regressar de lesões graves, jogadores que estavam em grande forma na temporada passada.

Estoril - O Cérebro

A temporada 2020/2021 mostrou que o Estoril estava a um nível bem superior aos restantes adversários na segunda liga. Uma equipa com muitos recursos táticos, capaz de apresentar vários argumentos para desmontar a equipa contrária, que eliminou o Rio Ave, Boavista e Marítimo da Taça de Portugal, tudo equipas do primeiro escalão.

Apesar de ter algumas individualidades de muita qualidade, o que se destacava mais no Estoril era mesmo a ideia de jogo de Bruno Pinheiro. Um futebol com a valorização da posse de bola e do jogo apoiado. Defensivamente a reação à perda da bola e capacidade de reduzir espaços era impressionante.

Para esta temporada a equipa perdeu algumas peças importantes. A dupla de centrais Hugo Gomes e Hugo Basto; o criativo Zé Valente; os avançados Harramiz, Aziz e André Vidigal. No entanto, contratou experiência de primeira liga com Francisco Geraldes, Lucas Áfrico e Ferraresi e promoveu alguns jovens à equipa principal.

Famalicão - Mais tempo de trabalho

A época passada foi muito conturbada para o Famalicão. Depois de ter terminado em sexto lugar em 2019/20, no ano seguinte chegou a estar nos lugares de descida, apesar de um plantel de qualidade. João Pedro Sousa foi despedido para entrar Silas, que não conseguiu revitalizar a equipa, até que Ivo Vieira foi contratado e se tornou na voz de comando do Famalicão.

A equipa começou a ganhar jogos e conseguiu terminar o campeonato no nono lugar, dando a entender que o treinador português foi a escolha certa para o projeto do clube. Houve saídas importantes como Gil Dias, Anderson, Vinagre, Pêpê e Valenzuela, mas a grande base da equipa mantém-se.

Gil Vicente - Mais recursos

Ricardo Soares não começou a temporada no Gil Vicente no ano passado. Isto retirou ao técnico o trabalho de pré-época e construção do plantel. Mesmo assim, o Gil fez uma campanha consistente, terminando no 11.º lugar e chegando a vencer o Benfica e empatar com o SC Braga nas últimas jornadas do campeonato.

2021/2022 será um ano com mais trabalho de Ricardo Soares e com alguns reforços que poderão dar mais recursos à equipa. Murilo e Lucas Cunha são duas opções de qualidade. Hackman e Bilel são dois atletas com experiência de primeira liga e que trazem outra consistência e valências ao plantel. O guarda-redes Kritsyuk fez uma boa época no Belenenses SAD e Vítor Carvalho poderá ajudar a colmatar a saída de Lucas Mineiro, peça importante no meio campo no ano passado.

Marítimo - Mais qualidade

A época 2020/2021 do Marítimo foi muito atribulada. Com um bom início, carregada pelos golos de Rodrigo Pinho, a equipa parecia que poderia fazer um campeonato seguro, e ficar num dos lugares de meio da tabela. Mas as lesões do avançado e as mudanças de treinador apenas serviram para trazer mais instabilidade ao clube.

Agora a aposta passa por Julio Velasquez, que já terminou a temporada passada no comando do clube e que agora tem outras armas para atacar a nova época. O mercado do Marítimo, apesar de algumas saídas, está a ser positivo. O regresso de Bruno Xadas é visto com bons olhos, com a esperança de que o jogador possa ser uma peça importante no ataque dos madeirenses pelas características diferentes que possui. André Vidigal foi uma das principais figuras ofensivas do Estoril na época passada e é um extremo que pode oferecer desequilíbrio e velocidade ao ataque da equipa.

Moreirense - Núcleo Duro

O Moreirense terá mais uma época para manter a consistência visível nos últimos anos, com quatro temporadas consecutivas na primeira metade da tabela. O novo treinador João Henriques tem a ambição de manter uma equipa competitiva, que se destaca pela base de 21 jogadores presentes no clube há vários anos.

A equipa viu algumas peças importantes a saírem, como Ferraresi, David Simão, D'Alberto e Pedro Nuno, mas conseguiu contratar alguns atletas experientes e jovens talentos. A inclusão de Rodrigo Conceição, emprestado pelo F.C. Porto, é interessante pela perspetiva futura que o jogador tem, assim como Frimpong, lateral esquerdo que pertence ao Benfica. Jambor é um reforço que traz experiência ao meio campo da equipa de Moreira de Cónegos, contratado ao Rio Ave.

Mas aquela que pode ser a chave para o sucesso da época do Moreirense é a base de jogadores que o clube manteve. Ainda existe a dúvida se Filipe Soares e Abdu Conté, as duas principais figuras do clube, vão permanecer nos cónegos, mas caso se mantenham, João Henriques tem dois atletas que oferecem muitos recursos técnicos e ofensivos à equipa.

Pasinato, Steven Vitória, Fábio Pacheco e Rafael Soares são "homens da casa", figuras experientes para juntar à juventude que reside agora em Moreira de Cónegos.

Paços de Ferreira - Choque de ideias

A época 20/21 do Paços de Ferreira foi surpreendente. A equipa terminou no quinto lugar, de acesso à Liga Conferência, a nova competição da UEFA. Pepa revolucionou a formação, com um futebol ofensivo e de posse que trouxe resultados. No entanto, o trabalho de Jorge Simão avizinha-se mais complicado.

O Paços perdeu figuras importantes como Luther Singh, Bruno Costa e Marcelo. Jordi poderá estar lesionado a grande parte da época e a saída de Eustáquio é um cenário provável. Para colmatar estas saídas, o clube contratou Rui Pires e Nuno Santos, reforços para o meio campo; Denilson e Delgado para o ataque; João Vigário e Flávio Ramos para a defesa e ainda André Ferreira para a baliza.

Para além das questões de plantel, uma dificuldade que o clube pacense pode enfrentar é o choque de ideias entre Pepa e Jorge Simão. O atual treinador tem uma ideia de jogo mais pragmática, de procura da profundidade e redução de espaços defensivos. Embora seja numa fase precoce da época e as intenções do treinador possam não estar todas entrosadas, no encontro da Taça da Liga frente ao Gil Vicente já foi possível ver algumas características deste novo Paços que contrastam com o antigo técnico.

A equipa mostra algumas dificuldades na ligação entre a defesa e o meio campo, o que dificulta chegar a zonas atacantes de forma apoiada, algo que os comandados de Pepa faziam muito bem. A aposta passa muitas vezes pela profundidade, através das corridas de Denilson ou Lucas Silva, que procuram constantemente o espaço nas costas dos defesas.

Portimonense - A incerteza

As últimas duas temporadas do Portimonense revelaram-se complicadas. Há dois anos o clube desceu de divisão dentro de campo, mas garantiu a permanência na secretaria, depois de o Vitória de Setúbal ter falhado os requisitos para se inscreverem na Liga portuguesa. Na temporada passada a equipa esteve sempre perto dos lugares de descida, mas conseguiu terminar um ponto acima da linha de água.

A incerteza é o destaque do Portimonense para esta temporada. Vamos por partes: até agora saíram do clube Hackman, Henrique, Lucas Tagliapietra, Anzai, Maurício, Ewerton, Poha e Bruno Moreira. Foram contratados Renato Júnior, Carlinhos, Henrique Jocú, Niazmand, Pedrão e Iván Angulo. Ou seja, o plantel sofreu para já oito saídas e seis entradas, mexidas consideráveis para uma equipa que poderia tentar apostar na estabilidade de plantel.

Esta estabilidade dificilmente será possível, tendo em conta as prováveis transferências a serem feitas. "Há clubes interessados na contratação do avançado Beto, do médio Lucas Fernandes, dos defesas Lucas Possignolo e Moufi e, também, do guarda-redes Samuel Portugal", referiu o presidente da SAD Rodiney Sampaio à Lusa.

F.C. Porto - Mais opções e valorização do talento

Até ao momento houve apenas duas saídas no plantel do F.C. Porto: Loum e Marega. Os dragões mantêm a mesma base de plantel, a mesma estrutura e as mesmas peças essenciais, mas adicionou alguns jogadores novos.

Na defesa, João Mário parece ser o grande reforço e ter agarrado o lugar de lateral direito. Já tinha terminado a época passada em boa forma, mas nestes jogos de pré-temporada mostrou-se competente nas tarefas defensivas e muito presente no ataque. Vítor Ferreira e Bruno Costa não jogaram ao serviço do F.C. Porto no ano passado, mas estão mais valorizados. Vitinha ganhou experiência na Premier League e realizou um Euro sub-21 seguro. Bruno Costa fez uma época sólida ao serviço do Paços de Ferreira, revelando-se ser um médio competente e que pode ser de confiança para Conceição.

Luis Díaz foi uma das figuras da Copa América e realizou várias exibições de qualidade, mostrando argumentos para ser titular na equipa azul e branca. Apesar de não ter sido sempre titular, Francisco Conceição destacou-se no Euro2021, tendo marcado um belo golo frente à Itália.

Pepê não deverá ter a titularidade garantida, tendo em conta aquilo que Sérgio Conceição tem pretendido dos seus alas nos anos anteriores. No entanto, mostrou bons indicativos na pré-época. Toni Martínez deverá alinhar no lugar de Marega na frente de ataque, se bem que Corona também pode funcionar como segundo avançado. Titular indiscutível será Taremi, depois dos 23 golos e 18 assistências na época passada.

Santa Clara - A força do coletivo

A época 2020/2021 foi histórica para o Santa Clara: pela primeira vez alcançou um lugar de acesso às competições europeias. Apesar deste feito histórico, o diretor desportivo João Ferreira explicou que o objetivo principal é a manutenção e não focar em demasia em "bater recordes". Para concretizar este plano, o clube conta com um grupo forte, com a mesma base da temporada passada e capaz de fazer um percurso tranquilo na Liga portuguesa.

As saídas mais sonantes do plantel foram as de Fábio Cardoso para o F. C. Porto e Ukra para o Rio Ave. Mas os açorianos conseguiram, até agora, manter nomes como Villanueva, João Afonso, Mansur, Morita, Lincoln, Cryzan e Carlos Junior, jogadores que vão facilitar o trabalho de Daniel Ramos. O técnico vai entrar no segundo ano ao comando do Santa Clara, já com ideias entrosadas nos jogadores e numa casa que já conhece.

Sporting - Um grupo mais maduro

Após a grande época em que se sagrou campeão nacional e conquistou a Taça da Liga, o Sporting começou 2021/2022 a vencer a Supertaça frente ao SC Braga. A equipa viu apenas João Mário a sair, ausência que provavelmente vai ser colmatada com a contratação de Ugarte, médio do Famalicão. O uruguaio assemelha-se ao português pela capacidade de reter a bola e somar poucas perdas por jogo, mas é superior a nível defensivo, pelos equilíbrios que garante. Para esta posição há também Matheus Nunes, Daniel Bragança e Bruno Tabata.

Mas aquilo que destacou o Sporting na época passada, para além de todas as questões técnico-táticas, foi o grupo. A união entre jogadores e espírito de entreajuda foi relevante, muitas vezes visível na forma como não desistiam da vitória, com vários jogos ganhos com golos nos últimos minutos. Nesta época, a equipa está mais madura, mais experiente e com as ideias de Rúben Amorim ainda mais incorporadas.

O Sporting tem também mais opções para atacar uma temporada que se avizinha mais difícil com a presença na Liga dos Campeões. Rúben Vinagre é um dos melhores laterais esquerdos jovens portugueses e Ricardo Esgaio é uma alternativa com provas dadas na Liga portuguesa, para poupar Pedro Porro de um número elevado de jogos.

Tondela - A contratar nos grandes

O projeto do Tondela com Pako Ayestarán tornou-se mais interessante esta temporada, com a contratação de alguns jogadores a grandes clubes. Eduardo Quaresma traz uma opção para o centro da defesa com qualidade com bola; Manu Hernando, embora esteja a recuperar de lesão, tem formação no Real Madrid; Tiago Dantas trará qualidade na definição dos ritmos do jogo com bola; Daniel dos Anjos, proveniente do Benfica, e Dadashov, do Wolves, são opções para um ataque que perdeu o goleador Mario Gonzalez.

O futebol que o treinador espanhol procura colocar em prática é positivo, com uma ideia de jogo a ofensiva, sem "medo" de nenhum adversário e em que raramente se fecha na defesa à procura de segurar o resultado.

Vitória SC - Pérolas da formação

Na época passada, João Henriques nunca conseguiu colocar o Vitória a praticar o futebol que a qualidade do plantel lhe permitia. O novo treinador Pepa brilhou no Paços de Ferreira e a ideia de jogo que possui parece encaixar bem com as opções disponíveis no clube.

Destaque do Vitória para a nova temporada é a aposta na formação. Tomás Händel foi escolha de Pepa na pré-época a médio defensivo e o lateral direito Maga indicou que pode ser uma opção alternativa para Sacko. A qualidade de passe e condução de bola de Gui, jogador capaz de desempenhar várias funções no meio campo, são alguns dos motivos pelos quais Pepa apostou no jovem de 19 anos. Por fim, com a possível saída de Estupiñan, Herculano pode conseguir ter alguns minutos na frente de ataque do Vitória. Ainda com 17 anos tem muita margem de progressão, mas já mostra uma capacidade física e de movimentações com ou sem bola, bem como habilidade para jogar de costas para a baliza, raras de encontrar em tão tenra idade.

Vizela - Juventude e experiência

O percurso do Vizela nos últimos anos tem sido brilhante. Em duas épocas subiu duas divisões e marca agora a segunda presença de sempre na primeira liga. O técnico Álvaro Pacheco é carismático e tem as ideias para o estilo de jogo da equipa bem vincadas.

No Vizela destaca-se a constituição do plantel e uma ideia de projeto a longo prazo. O clube procurou juntar juventude e talento à experiência de certos jogadores já "feitos", de forma a tentar obter o melhor dos dois mundos. As contratações de jovens como Nuno Moreira, Tomás Silva e Hugo Oliveira são alguns exemplos da intenção do Vizela em utilizar jovens promessas. Por outro lado, Claudemir, Bruno Wilson e Charles são atletas com experiência de primeira liga e que podem contribuir para serem uma voz de comando no balneário.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG