Futebol

Abel Ferreira: "Aconteça o que acontecer, no futuro vão ter que levar comigo"

Abel Ferreira: "Aconteça o que acontecer, no futuro vão ter que levar comigo"

O treinador do Palmeiras agradeceu todo o apoio após a conquista da Libertadores e deixou um pedido aos brasileiros.

Feliz, ainda sem acreditar, levou um banho de bebida energética dos jogadores no relvado. Abel Ferreira fez história e sabe disso. "Ficaremos na história e seremos eternos. Gravámos e conseguimos a glória eterna", referiu. Mas mesmo depois de ter levantado a Taça dos Libertadores, o técnico português não esqueceu quem fez parte deste percurso. Inclusive Marcelo Rebelo de Sousa, presidente da República, que fez questão de telefonar ao treinador para o felicitar.

"Sinceramente, a palavra que mais me passa pela cabeça é obrigado. Quero agradecer de forma especial e carinhosa aos jogadores, não há bons treinadores sem bons jogadores, sem bons homens. Posso dizer e quero agradecer publicamente ao Presidente da República de Portugal, que me ligou. Para mim é um orgulho tremendo receber uma mensagem e uma chamada de Marcelo Rebelo de Sousa", começou por dizer em conferência de imprensa.

Depois de duas épocas ao serviço do PAOK, Abel Ferreira chegou ao Brasil "sem conhecer ninguém", a um campeonato "muito difícil" e que, dada a exigência, despede treinadores com muita facilidade. Por isso, o técnico aproveitou ainda para deixar um pedido: "Aconteça o que acontecer no futuro, vão ter que levar comigo, mesmo se for embora. Gostaria que vocês mudassem um pouco nisso... queriam mandar o Abel Braga embora porque tinha sido eliminado da Libertadores. Se tudo correr de forma natural, vai ser campeão...", recordou.

Mal soou o apito final no Estádio Maracanã, que culminou na vitória do verdão, Abel Ferreira não conteve a emoção e chorou. Chorou junto à equipa técnica. Chorou com os jogadores. Chorou no centro do relvado. E chorou também na conferência de imprensa ao recordar que não pode estar com a família. O principal apoio nos momentos de glória. "Hoje sou melhor treinador, mas sou pior pai, filho, irmão, tio... Não imaginam a quantidade de vezes que me deitei à noite, na minha almofada, e chorei sozinho de saudade", vinca, para depois desabar.

"Custa-me estar longe da minha família. Não há dinheiro nenhum que recupere isto. E por isso digo que choro na minha almofada por não estar com as minhas filhas", concluiu em lágrimas. Um campeão também chora.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG