Futebol

Afinal, Díaz foi bem ou mal expulso no Braga-F. C. Porto?

Afinal, Díaz foi bem ou mal expulso no Braga-F. C. Porto?

Ex-árbitro Paulo Pereira diz ao JN que o lance mais polémico do Braga-F. C. Porto da Taça de Portugal não podia merecer punição porque o jogador dos dragões não cometeu qualquer falta

O jogo da primeira mão da meia-final da Taça entre minhotos e portistas ficou marcado pela expulsão de Luiz Díaz, na sequência de um lance em que o árbitro Luís Godinho, após aconselhado pelo VAR, Hugo Miguel, a ver as imagens, entendeu que o atacante do F. C. Porto cometeu uma falta violenta sobre David Carmo, passível de provocar a lesão grave sofrida pelo defesa do Braga.

O ex-árbitro Paulo Pereira tem uma opinião totalmente oposta. "Não há qualquer enquadramento legal que possa levar a uma expulsão neste lance. Nem é assunto. É um erro claro de arbitragem. E também não há nenhuma recomendação da FIFA para expulsar quando de um lance resulta uma lesão grave. Para haver uma punição, alguém tem de ter cometido uma infração, o que não foi o caso. Nem faz sentido falar em infração nesta jogada. Díaz não podia fazer nada para evitar o contacto. É uma situação normal no futebol", afirma.

Questionado sobre o que terá levado Hugo Miguel e Luís Godinho a tomar a decisão de expulsar o jogador do F. C. Porto, o ex-árbitro respondeu: "O que eu acho é que eles foram condicionados por todo o ruído feito na semana passada após o lance que envolveu Kritciuk e Nanu no Belenenses SAD-F. C. Porto. Também nesse lance, na minha opinião, não há qualquer falta. Foi feito um barulho inacreditável por parte do F. C. Porto para que se tivesse assinalado uma falta num lance em que também aconteceu futebol. O guarda-redes tentou jogar a bola, tal como Nanu. A verdade é que são duas situações graves que aconteceram no espaço de uma semana"

"Quanto à conversa de Luís Godinho com o banco do F. C. Porto, também não se compreende. Ele disse que expulsou porque o jogador partiu o pé. Ora, um jogador pode partir um pé sozinho. O facto de David Carmo ter partido o pé não quer dizer que tenha sido o adversário o responsável", acrescentou Paulo Pereira.

Recorde-se que, no final da partida, Pinto da Costa foi à sala de imprensa do Estádio Municipal de Braga, dizer que "ninguém vergará" o F. C. Porto e pediu serenidade aos adeptos, dizendo "basta" às situações de arbitragem que, na opinião do presidente portista, estão a põr em causa "o esforço dos jogadores e dos treinadores" do clube azul e branco.

PUB

A noite que se seguiu ao jogo foi atribulada para o árbitro Luís Godinho, que, segundo informações prestadas pelo Conselho de Arbitragem à agência Lusa, terá recebido ameaças de morte.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG