Desporto

Alberto João Jardim diz que diretor regional do Desporto "foi demitido"

Alberto João Jardim diz que diretor regional do Desporto "foi demitido"

O presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, esclareceu, esta sexta-feira, o caso da demissão do diretor regional do Desporto, afirmando que João Santos não se demitiu, mas "foi demitido".

À margem das cerimónias comemorativas dos 46 anos da Escola de Hotelaria e Turismo da Madeira, Jardim foi contundente: "Não se demitiu, o Governo não lhe renovou a sua continuidade no cargo, devido à sua situação de reformado", afirmou.

Fonte da secretaria regional da Educação tinha revelado à agência Lusa que João Santos apresentou a demissão do cargo de diretor regional da Juventude e Desporto da Madeira pelo facto de o Governo Regional ter anulado o congresso do Desporto.

"O Governo, no uso dos seus poderes legais, entendeu ser esta a melhor solução", explicou Jardim, sublinhando que para manter João Santos no cargo, "teria sido preciso um despacho do Governo para renovar".

Relativamente ao adiamento do congresso do desporto regional, Jardim diz ter dado "instruções que não tinham sido obedecidas de que não se faz congressos do desporto pondo de parte as principais instituições desportivas da Região".

"Qualquer indivíduo meu subordinado que, depois de lhe ser transmitida uma orientação, não a respeite, é demitido e ponto final", alegou o presidente do Governo Regional da Madeira.

O referido congresso do Desporto foi apresentado na passada quarta-feira por João Santos, na companhia do secretário regional de Educação e Recursos Humanos, Jaime Freitas, sendo este um evento que iria reunir vários parceiros da área desportiva.

PUB

Na quinta-feira, o Conselho do Governo Regional da Madeira emitiu uma nota onde anulava o congresso, "anunciando que o mesmo seria agendado para data oportuna", adiantou a mesma fonte.

O facto não caiu bem na organização, sobretudo ao diretor regional João Santos e respetiva equipa de trabalho, daí a justificação para a demissão inesperada.

João Santos tinha já informado o Governo Regional que iria abandonar o cargo, devido a um pedido de reforma já autorizado, mas na quarta-feira voltou a assumir a pasta que ocupava há relativamente pouco tempo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG