Andebol

Alfredo Quintana eternizado no Dragão Arena

Alfredo Quintana eternizado no Dragão Arena

O F. C. Porto eternizou, esta quinta-feira, no Dragão Arena o guarda-redes internacional português Alfredo Quintana, que morreu no final de fevereiro, ao colocar no pavilhão uma imagem e frases do andebolista.

"As memórias do que vivi aqui vão ficar bem guardadas no meu coração. Foi o F. C. Porto que me permitiu ser o que sou hoje", inscreveram os portistas no alto de uma bancada.

O clube azul e branco já tinha anunciado que o número 1 vai deixar de ser usado nas camisolas da equipa de andebol para homenagear o atleta vítima de paragem cardiorrespiratória.

Alfredo Quintana morreu em 26 de fevereiro, aos 32 anos, após sofrer uma paragem cardiorrespiratória quatro dias antes, durante o treino dos 'azuis e brancos', ao serviço dos quais conquistou seis campeonatos, uma Taça e duas Supertaças.

Nascido em Havana (Cuba), o guarda-redes, de 2,01 metros, ingressou no F. C. Porto em 2010, naturalizou-se português e tornou-se internacional em 2014, tornando-se numa referência da equipa das 'quinas', que representou em 67 jogos, tendo feito parte das seleções que conquistaram o sexto lugar no Europeu de 2020 e o 10.º no Mundial 2021, as melhores classificações lusas de sempre.

O inédito apuramento de Portugal para os Jogos Olímpicos foi dedicado a Quintana, um dos artífices dos melhores desempenhos de sempre da seleção.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG