Volta a Portugal

Mauricio Moreira: O uruguaio que encarna o espírito do ciclismo

José Pedro Gomes

Maurício Moreira conquistou a Volta a Portugal

Foto Pedro Correia / Global Imagens

Mauricio Moreira teve uma carreira recheada de altos e baixos, mas soube reerguer-se e superar a covid e uma lesão

O reerguer perante as dificuldades é uma das principais características do ciclismo, e Mauricio Moreira encarna, na perfeição, esse espírito. Ao longo da sua carreira teve de se reinventar para superar quedas do destino, nomeadamente o literal trambolhão no contrarrelógio de 2021, que o afastou da discussão da Volta.

Humilde, emocional e companheiro, este sul-americano, que inscreveu pela primeira vez o seu nome no historial de vencedores da prova rainha do ciclismo nacional, fez do espírito de sacrifício o seu principal trunfo nesta corrida, e embora não sendo sempre o melhor, afligido por um problema no joelho que em várias tiradas o limitou, acabou por não falhar no momento em que se exigia concentração máxima. "Ainda não caí na realidade. Quando acordar deste sonho, é que vou perceber o feito que consegui", disse o sul-americano no final da corrida, sem conseguir travar as lágrimas que teimosamente lhe escorriam pelo rosto.

Numa modalidade em que o principal sucesso é individual, mas impossível de ser alcançado se não for com a força do coletivo, o sentido e emocionado abraço dado no final ao companheiro Frederico Figueiredo, que acabou por lhe entregar a camisola amarela, foi revelador da mais valia do grupo da Glassdrive/Q8/Anicolor. "Não estava a disputar o triunfo e o contrarrelógio com um colega de equipa. O Frederico é um senhor. Podia ter assegurado a vitória na Volta e não o fez, respeitando-me. Não mais vou esquecer", disse o uruguaio.

Mauricio Moreira sai de Vila Nova de Gaia com o maior sucesso da sua carreira e logo numa Volta Portugal onde chegou com muitas dúvidas em relação à sua forma, fruto de infeções por covid-19, meses antes, e pela limitação física num joelho. Na edição de 2021, em que até esteve mais forte, tinha perdido para Amaro Antunes (W52/F. C. Porto), mas agora assegurou um triunfo "que pode mudar uma vida", chamando a atenção de equipas ainda maiores.

Relacionadas