Desafio

Oficial da PSP quer entrar no Guinness com recorde de "burpees" numa hora

César Castro

Oficial da PSP vai tentar meta de 951 "burpees" em 60 minutos|

 foto CrossFit AlphaDen

Tiago Lousa quer bater recorde do mundo de "burpees" numa hora|

 foto CrossFit AlphaDen

O subintendente da Polícia de Segurança Pública (PSP) Tiago Lousa vai concorrer, na segunda-feira, ao famoso livro dos recordes do Guinness, ao tentar executar mil "burpees" numa hora. O recorde atual deste exercício corporal durante aquele espaço de tempo está fixado em 951 e foi alcançado pelo atleta brasileiro Cassiano Rodrigues Laureano a 25 de junho deste ano, em Singapura.

A prova, que terá uma componente solidária, vai decorrer no feriado de 1 de novembro, às 12 horas, no CrossFit AlphaDen, em Sintra, do qual Tiago é proprietário e treinador principal, e será transmitida em direto no canal de YouTube e Facebook daquele ginásio.

Para tentar bater o recorde, o também oficial da PSP, de 39 anos, manteve os dois treinos que faz diariamente, mas teve de reconfigurar o exercício físico e, desde a inscrição no Guinness, só executa "burpees" de acordo com o modelo exigido pela organização internacional.

"Quando vamos ao chão, deixamos as mãos junto ao peito e o movimento torna-se mais rápido e fluido. No Guinness, temos de estender obrigatoriamente os braços e isso é muito diferente daquilo que estou habituado a fazer", começa por contar ao JN.

De há dois meses para cá, Tiago tem mantido o ritmo de 17 "burpees" por minuto. "Nem sempre os faço todos para manter a motivação e a expectativa e porque a nível físico e psicológico é muito esgotante", revela.

Apesar de fazer "muitas provas de várias modalidades", o subintendente da PSP, de Lisboa, não se considera um atleta profissional, algo que, de resto, faz questão de deixar claro. Refere ainda que tudo se consegue com "disciplina, gosto e gestão".

"Durmo cinco horas por dias, consigo treinar duas vezes, tenho a minha profissão. Sou pai de duas crianças. Apesar de ser oficial da PSP, estou ainda na Unidade Especial e há lá uma parte do nosso horário especificamente para treinar. Isto dá-me uma grande vantagem, digamos, do polícia regular, mas não deixa de ser uma gestão ao minuto", frisa.

Componente solidária

Durante o evento de segunda-feira, os espectadores poderão fazer uma doação digital, cujo valor reverterá na totalidade para a recuperação do ginásio da Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo (APPDA), em Lisboa.

"As obras [de reabilitação] deverão rondar entre os dez e os doze mil euros, embora a partir dos seis mil já se torne exequível a colocação do equipamento e aulas", acrescenta Tiago Lousa que, muito em breve e durante um ano letivo, se prepara para dar aulas de crossfit aos utentes da APPDA num projeto experimental que, acredita, será bem acolhido.

"O crossfit é algo muito estruturado, tudo é mensurável, todos os nossos treinos têm um número definido de repetições. Eu vou estar durante uma hora a fazer mil vezes o mesmo movimento e fui buscar aqui o movimento repetitivo que as pessoas com autismo têm. É diferente de uma aula de ginástica normal", esclarece.

Para além do donativo em tempo real durante a prova, há ainda outras duas formas de ajudar: presencialmente, através de um registo numa aula física nesse dia e cuja entrada é a compra de uma t-shirt no valor de 20 euros, ou à distância, onde o participante se inscreve numa atividade online, por seis euros, e durante aquele período também executa os seus "burpees". Todas as informações podem ser consultadas aqui.

Outra inscrição no Guinness

Se ficar aquém da meta apontada de mil "burpees", Tiago Lousa não vai esconder a insatisfação, até porque diz ser "extremamente competitivo". No entanto, assevera que a competição não é determinante para o objetivo que é a angariação de fundos.

Ao JN, o oficial da PSP revela ainda que não tenciona ficar por aqui no que toca a recordes mundiais: "Já tenho outra inscrição no Guinness. Tenho um filho recém-nascido que fez recentemente três meses e gostava de fazer com ele, no carrinho de bebé, a maratona ou a meia-maratona. Mas tenho de ver mais para a frente porque ele tem de ter, se não me engano, pelo menos oito ou nove meses de idade."