Triplo salto

Pedro Pichardo: "Foi o meu pai que escolheu Portugal"

Pedro Pichardo conquistou a medalha de ouro

Foto Jonathan Nackstrand / Afp

O triplista, que na madrugada desta quinta-feira conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos, garantiu que é um "privilégio" representar o nosso país e que não quer voltar para Cuba.

"O privilégio é todo meu. Representei Portugal e tenho orgulho que Portugal me tenha acolhido para o representar, é um privilégio. A única maneira de agradecer é ganhar medalhas. Senti que levei o país comigo. Recebi muito apoio e fiquei muito mais tranquilo na final. Não há limites para mim", começou por dizer Pedro Pichardo em declarações à RTP.

O atleta sagrou-se campeão olímpico do triplo salto com a marca de 17,98 metros, novo recorde nacional, mas admitiu que queria mais.

"Sou campeão olímpico mas, no momento, queria mais e queria ultrapassar os 18 metros. Mas pronto, sou campeão olímpico e estou feliz. Durante o aquecimento senti uma dor mas mesmo assim consegui fazer um grande salto. Muito obrigado a todos pelo apoio. Muito grato com todos. Vou continuar a trabalhar para quebrar o meu recorde", acrescentou.

Pedro Pablo Pichardo nasceu em Cuba e naturalizou-se português em dezembro de 2017 e garante que não quer voltar para o país natal.

"A razão por ter escolhido Portugal? Tinha propostas de outros países mas foi o meu pai que escolheu Portugal. Falou comigo de Portugal, a dizer que o clima o fazia lembrar Cuba. E, quando cheguei, mudei e comecei a gostar do país. Vou ficar cá para sempre. Para Cuba, não volto mais. Não posso entrar no país mas, mesmo que pudesse, não está na minha cabeça voltar", concluiu.

Portugal celebrou, na madrugada desta quinta-feira, o primeiro ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio graças ao voo de 17,98 metros de Pedro Pichardo, novo recorde nacional.

Relacionadas