Anita Alvaréz

"Vi tudo negro à minha volta", diz nadadora que desmaiou na piscina

André Bucho

Anita Alvarez desmaiou na piscina durante a final e teve de ser socorrida

Foto Oli Scarff / Afp

Anita Alvaréz, nadadora norte-americana que desmaiou no exercício de natação artística, quer voltar à piscina já nesta sexta-feira

Ao jornal espanhol "El País", Anita Alvaréz recordou o momento em que perdeu a consciência e que afundou na piscina dos Mundiais de Natação de Budapeste, tendo sido salva pela treinadora Andrea Fuentes.

"A temporada foi longa. Lesionei-me no pé em fevereiro, fui operada e só voltei a competir em maio, porque estava determinada em participar nos Mundiais", começou por explicar a norte-americana, que garante que os desmaios são normais na modalidade. "Como noutros desportos, forçamos o corpo ao limite e por vezes passamos um bocadinho. As pessoas não se apercebem, a imagem é de harmonia e felicidade, sorrimos com maquilhagem posta. Quando acabamos um treino nem nos conseguimos mexer. As pessoas não têm noção, mas os desfalecimentos são frequentes. Todos os dias há nadadoras a desfalecer. Eu chamei a atenção porque aconteceu no Mundial", revelou.

Sobre o momento do desmaio, que aconteceu no final do exercício, conta que já se tinha sentido próxima de desmaiar anteriormente. "Estava a deixar tudo na piscina. No último exercício, em que tenho de despedir-me levantando um braço, lembro-me de pensar: 'Levanta o braço. Não desistas agora. Dá tudo até ao último segundo!'. Houve outras vezes em que senti que ia desmaiar. Nesta vez estava compenetrada no meu papel, a viver o momento. Às vezes sentes uma dor e tens de parar. Estava cansada, mas isso é sempre, mas estava a aproveitar. Quando senti que podia relaxar, vi tudo negro à minha volta. Não me recordo de mais nada", atirou.

As imagens deixaram Anita chocada inicialmente, mas admite a beleza no retrato. "Fiquei chocada inicialmente. Não estava à espera que publicassem algo assim. Agora penso que, de certa maneira, as fotos são bonitas. Ver-me ali, debaixo de água, em paz, em silêncio, e depois ver a Andrea com o braço esticado, a tentar alcançar-me, quase como uma heroína. Debaixo de água pode ser o lugar mais pacífico da terra, quando estás no fundo, sentada, em silêncio. Sentes que não tens peso e está contigo própria. Gosto muito", admite.

Apesar do choque causado, a nadadora norte-americana garante que estará na final da competição esta sexta-feira. "Descansei muito, durante a noite e de dia. O meu corpo está completamente normal, isto já me tinha acontecido. Descansas e no dia seguinte já estás na água. Tens de o fazer, para não encheres a cabeça de medos. Os médicos já me observaram e eu quero terminar a competição. Fiquei contente com a prestação no solo e agora não quero falhar à minha equipa na final livre. Quero acabar com a cabeça levantada e que as minhas companheiras saibam que podem confiar em mim", explicou Anita.

A final livre por equipas do Mundial de Budapeste disputa-se às 15 horas locais desta sexta-feira, mais uma hora do que em Portugal.

Relacionadas