Desporto

Arbitragens deixam Pinto da Costa pessimista na renovação do título

Arbitragens deixam Pinto da Costa pessimista na renovação do título

O presidente do F. C. Porto, Pinto da Costa, criticou o "critério largo" usado pelo árbitro João Capela no Benfica-Sporting e admitiu ter ficado "mais pessimista" quanto à renovação do título, após a vitória das águias no clássico da Luz. "Em Lisboa, tudo é mais amplo", explicou, irónico, acerca do trabalho de João Capela.

Esta segunda-feira, no Dragão, Pinto da Costa e Mário Ferreira, da empresa Douro Azul, assinaram uma parceria. No final da cerimónia, o líder portista comentou as incidências do dérbi lisboeta, marcado pela polémica em torno arbitragem.

"O jogo foi o que esperava: a vitória do Benfica e uma boa arbitragem, feita por um árbitro com muito futuro...", começou por dizer Pinto da Costa.

"Era o meu palpite. O treinador do Sporting, Jesualdo Ferreira, é um expert e prepara muito bem os jogos. Pensei que o Sporting ia jogar assim, ia dominar, mas ia perder", continuou, deixando ímplicito o desacordo quanto ao desempenho de João Capela, o mesmo árbitro do Braga-F. C. Porto, da final da Taça Liga, que os bracarenses ganharam com um golo de penálti, marcado por Alan.

"Como só marca penáltis de 10 em 10 jogos, quando voltar a apitar o F. C. Porto é que vai marcar outro", comentou.

"No Benfica-Sporting, o árbitro teve um critério largo. Dizem que foi inteligente, ao não marcar faltas. É uma questão de critério. Os árbitros podem pôr as leis no bolso e não as aplicar. Na final da Taça da Liga, o critério foi mais apertado, talvez porque a ponte de Coimbra seja mais estreita. Em Lisboa, a ponte 25 de Abril é mais ampla, tudo é mais amplo, teve um critério largo", explicou.

Com quatro jornadas por disputar até ao final da Liga, Pinto da Costa admitiu ter ficado mais difícil, para o F. C. Porto, renovar o título de campeão. "Depois do jogo de ontem (Benfica-Sporting), estou mais pessimista", declarou.