Crónica

Até os comemos mas sem dentadas

Até os comemos mas sem dentadas

Cá estamos nós neste angustiante dia, não por ser véspera do tão esperado Portugal-Uruguai mas por não saber o que fazer da vida com 24 horas sem jogos do Mundial. Estou todo tomado pelas dores, é terrível estar tanto tempo sem ver futebol, para isso já me bastaram os últimos 15 minutos do Japão-Polónia. Se, realmente, o critério final de desempate é o fair play, aquele final de partida com a seleção nipónica, a fingir que estava a jogar, devia, desde logo, dar a qualificação aos senegaleses. Em termos de quebra de estereótipos, fiquei mais surpreendido com a atitude do Japão que com a eliminação da Alemanha. Até aceito que o treinador japonês tenha optado por aquela tática manhosa mas, no final do jogo, e por uma questão de honra, o mínimo era fazer haraquíri. Como diria Jesus, não é esse, é o que está na Arábia: "o fair play é uma treta."

Enquanto escrevo esta crónica, a Bélgica acaba de vencer a Inglaterra provando, mais uma vez, depois de ter dado asilo ao Puigdemont, que estamos perante gente que gosta de se meter em sarilhos. Em vez de se deixarem ficar pelo segundo lugar, e evitar os tubarões, os belgas optaram por marcar um golo fenomenal na baliza contrária, que na realidade devia entrar na categoria de autogolo, dado o prejuízo que causou à equipa.

Amanhã é dia de enfrentarmos o Uruguai que já foi campeão do Mundo mas num tempo em que o futebol era completamente diferente, e em que os jogadores só iam ao barbeiro para aparar as pontas do bigode. Se em 1950 um jogador usasse o penteado do Neymar era violado nos balneários.

Confio no lado celestial de Fernando Santos para eliminarmos a La Celeste nos 120 minutos da praxe. Óscar Tabarez está agora no seu 13.o ano como treinador do Uruguai, e atreve-se a enfrentar o nosso engenheiro. É querer brincar com a sorte.

Anteontem, o nosso selecionador disse que gostava destes jogos contra tubarões, numa óbvia referencia à dentição de Suarez. Não acredito que o uruguaio se atreva a morder um dos nossos, ainda que para ele as orelhas do Guedes sejam irresistíveis e o equivalente a pôr o Fernando Mendes a tomar conta de uma loja de enchidos.

* ARGUMENTISTA