Futebol

Atletas da LigaPro insurgem-se contra o fim do campeonato: "Vergonhoso"

Atletas da LigaPro insurgem-se contra o fim do campeonato: "Vergonhoso"

O lateral Ruca e o avançado Edinho, do Feirense e Cova da Piedade, respetivamente, deixaram testemunhos emocionados nas redes sociais sobre a decisão governamental de dar por encerrada a LigaPro, onde ambos atuam. Sobrevivência económica dos futebolistas daquele escalão também foi referida.

"Hoje é, provavelmente, um dos dias mais negros da história do futebol profissional em Portugal. Duas competições sob alçada do mesmo organismo, com as mesmas regras, com os mesmos direitos e deveres... Então, porquê a decisão de se jogar a Primeira Liga até ao fim e acabar imediatamente com a segunda?", começa por questionar o defesa do Feirense, respondendo, depois, à pergunta que ele próprio colocou.

"Não, não é uma questão de saúde pública. Nunca foi. É uma questão de interesses instalados, de poderes absolutos que fazem o que querem e bem lhes apetece do nosso futebol", desabafou o lateral do Feirense, antes de revelar alguma ironia: "Ou serão os verdes, os vermelhos e os azuis imunes ao vírus? Creio que não".

Já Edinho, no vídeo que partilhou nas redes sociais, foi igualmente feroz na resposta à decisão da Direção-Geral de Saúde de permitir a conclusão da Liga, em campo, e de acabar com a LigaPro.

"Somos campeões europeus e é vergonhoso aquilo que está a acontecer. Uma falta de respeito com todos os profissionais, na LigaPro também existem profissionais, até no Campeonato de Portugal", começa por dizer o avançado do Cova da Piedade.

"Tinham que ser tomadas medidas diferentes. Deviam ouvir todas as partes, Portugal não tem só três equipas. Três equipas não fazem um campeonato", disse Edinho, supostamente referindo-se à reunião do Governo com os homens fortes do futebol português, incluindo os presidentes de Benfica, Sporting e F. C. Porto.

Lembrando que os jogadores do segundo escalão nem tiveram a possibilidade de se pronunciarem, o avançado que passou pelo campeonato espanhol considerou "impensável" ver esta decisão acontecer noutros países. "Noutro país, os jogadores da Primeira Liga batiam o pé e não havia Liga".

"Somos nós, jogadores, que fazemos o espetáculo. São as nossas vidas que dependem disto, são os nossos salários, as nossas contas, somos nós quem vamos estar quatro meses sem competir e, quem sabe, sem receber salários", notou o experiente avançado.

Ruca, do Feirense, também tocou na questão da sobrevivência económica dos jogadores da LigaPro.

"Para quem manda é muito fácil resolver, deixam-se cair umas migalhas e os pobres calam-se, porque muitos deles não têm interesse nenhum de competir até ao fim, seja porque já não têm nada a ganhar ou a perder, seja por estarem dentro dos objetivos ou porque sempre dá para poupar algum dinheiro. Desengane-se quem pense que esse dinheiro vai servir para pagar salários, porque colegas meus de profissão que já tenham salários em atraso vão continuar a ter e ficam sem receber até à próxima época. E como vão fazer para viver? Para pagar as contas? Para meter comida na mesa para os filhos? Pois é, não interessa", escreveu o jogador do Feirense.

"Nunca se esqueça, a essência do futebol foram, são e sempre serão os jogadores! Seja no campo pelado da aldeia ou no maior estádio do Mundo. Tenham Vergonha", concluiu Ruca.