Sérgio Conceição

"Benfica? Foi como se tivesse ultrapassado uma pré-eliminatória da Champions"

"Benfica? Foi como se tivesse ultrapassado uma pré-eliminatória da Champions"

Na antevisão ao clássico com o Sporting, marcado para esta terça-feira e a contar para as meias finais da Taça da Liga, Sérgio Conceição recuou até ao que disputou para o campeonato, frente ao Benfica (1-1), na passada sexta-feira. O treinador do F. C. Porto aproveitou para responder a Jorge Jesus, que, no final da partida entre águias e dragões, considerou que o empate prejudicou mais os encarnados.

"O jogo com o Benfica já passou e cada treinador tem a sua análise, mas o ambiente que se viu no rival depois de empatar e continuar atrás de nós foi um ambiente de festa, de ganhar uma Liga dos Campeões. Ou, se calhar, de ultrapassar uma pré-eliminatória da Champions", atirou Sérgio Conceição.

PUB

Ainda no que se refere a esse jogo, os azuis e brancos teceram duras críticas ao árbitro Luís Godinho, nos dias que se seguiram ao desafio. Questionado pelo JN sobre o que gostaria de ver João Pinheiro fazer no Sporting-F. C. Porto de terça-feira e que não tenha visto na arbitragem do clássico com o Benfica, Sérgio Conceição respondeu de forma condicionada.

"Não sou árbitro, mas sou alguém que anda no futebol há muitos anos. Tudo o que falo é alvo de processo e não quero isso, mas um amarelo tem de ser dado aos três ou aos 90 minutos. Um árbitro não pode olhar para um momento do jogo e a sua decisão pesar mais ou menos pelo minuto ou pelo segundo que se está a jogar. Espero que o jogo corra bem ao João Pinheiro, à sua equipa, ao VAR e ao AVAR. Espero que o jogo seja ganho pela equipa mais forte e não por um erro qualquer. Desejo a maior sorte do mundo à equipa de arbitragem liderada pelo João Pinheiro", atirou.

Os três novos casos positivos à covid-19 no plantel, os de Sérgio Oliveira, Evanilson e Luis Díaz, também foram tema de conversa. E o treinador não deixou de dar um alerta para a população portuguesa em geral.

"É um problema que não é só do futebol, mas também da sociedade. Estamos a sofrer muito com a pandemia e, ao mesmo tempo, creio que também estamos a facilitar nesse sentido. Os jogadores são extremamente profissionais e sabemos os comportamentos deles, mas as estatísticas não são nada boas e todos devemos pôr a mão na consciência. Não devemos olhar para esta terrível pandemia de forma leviana, pois é algo importante e difícil de ultrapassar", disse.

"Todos os cuidados são poucos para nos protegermos e protegermos os outros, mas é o momento que atravessamos e temos mais três jogadores infetados. Estão fora do jogo de amanhã e impedidos de dar o contributo à equipa, mas vamos à luta com os jogadores que estão disponíveis", prometeu, já depois de ter deixado bastantes elogios ao adversário treinado por Ruben Amorim.

"O Sporting é o líder do campeonato. É uma equipa com muita juventude, com muita ambição no jogo e uma equipa em que se percebe bem a dinâmica que tem, que faz parte daquilo que é o pensamento do seu treinador. É fácil de interpretar a forma como joga, mas é difícil de contrariar se não estivermos bem no jogo", considerou Sérgio Conceição, que também abordou um caso particular, o de Nakajima que foi emprestado nesta janela de mercado.

"Há jogadores de dimensões diferentes e que têm mais sucesso num clube e depois noutro não. Tal como há surpresas e se adaptam rapidamente. Há jogadores que vêm para completar o plantel e chegam e entram na equipa por se adaptarem rapidamente. É o trajeto de cada um. O Nakajima foi muito respeitador. Não é um jogador que complica, até devia complicar mais um bocadinho. Não se ambientou a um clube como o F. C. Porto", explicou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG