Exclusivo Edição Impressa

Benfica segue rasto e notifica quem descarregou emails

Benfica segue rasto e notifica quem descarregou emails

Empresas notificadas para instaurar processos a funcionários. Clube não explica alegada investigação por conta própria.

O Benfica está a intimar pessoas (e empresas onde trabalham) que, alegadamente, tiveram acesso a mensagens de correio eletrónico de funcionários da Luz que há dias estiveram disponíveis num sítio da Internet alojado na Nova Zelândia. Os encarnados pretendem que quem descarregou tais ficheiros proceda à sua eliminação e inclusivamente guarde prova desse ato para posterior disponibilização às autoridades.

Através de cartas assinadas pelo secretário-geral João Salgado, o Benfica está a interpelar empresas, muitas delas sem qualquer ligação à comunicação social, alertando os seus responsáveis para a "prática de crime por funcionário", afirmando estar a ser vítima de ilícitos de devassa da vida privada e de violação de correspondência.

Em concreto, nas referidas missivas os encarnados apontam nomes de funcionários de empresas, acusando-os de terem descarregado emails do clube, estando em causa correspondência de Pedro Guerra, ex-diretor de conteúdos da Benfica TV, e de Paulo Gonçalves, assessor jurídico da SAD do Benfica.

As cartas de interpelação a que o JN teve acesso chegam ao pormenor de indicar os endereços eletrónicos dos funcionários das empresas que o clube acredita terem acedido à alegada correspondência. Só não explicam em que é que o Benfica se baseia para indicar os nomes e endereços concretos, imputando ainda às pessoas a prática de crimes informáticos, designadamente de "acesso ilegítimo e/ou de interceção ilegítima". O clube também aponta o dedo às entidades empregadoras das pessoas que pretende acusar, afirmando que a responsabilidade criminal "é, igualmente, extensível às pessoas coletivas".

Exigidos processos disciplinares

O JN questionou o Benfica sobre a hipótese de a informação sobre a identidade e emails de pessoas que terão, supostamente, descarregado material do clube ter sido obtida através de ilícito informático. Não foi obtida qualquer resposta.

Nas cartas enviadas pelo Benfica, são solicitados às entidades empregadoras dois tipos de atuação. Primeiro, serem instaurados processos disciplinares sobre a conduta dos funcionários, ao mesmo tempo que é anunciada a instauração de "procedimentos legais e judiciais". Segundo, exigir a "eliminação total de toda e qualquer informação" respeitante ao Benfica, salvaguardando "registo" para entrega às autoridades.

Por fim, se a entidade empregadora nada disser num prazo de 10 dias, o Benfica presumirá que as empresas suportam as condutas dos funcionários, do que retirará "todas as legais consequências".

Clube da Luz imputa crimes a jornalista do JN

Um jornalista do "Jornal de Notícias" foi o alvo de uma carta de interpelação que a Direção do Benfica resolveu enviar à administração da sociedade Global Media Group (proprietária do JN). As razões da escolha do nome, bem como os fundamentos - ou tipo de investigação por conta própria que tenha sido efetuada - para acusar diretamente o profissional da prática de crimes não são explicitadas na missiva assinada pelo secretário-geral João Salgado, em nome da Direção do clube da Luz.

Leia a nossa Edição Impressa ou tenha acesso a todo o conteúdo no seu computador, tablet ou smartphone assinando a versão digital aqui

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG