Sporting

Bruno de Carvalho abandona Assembleia-Geral e ameaça demitir-se

Bruno de Carvalho abandona Assembleia-Geral e ameaça demitir-se

O presidente leonino, Bruno de Carvalho, e membros da direção do clube abandonaram, este sábado à noite, pelas 20.30 horas, a Assembleia-Geral do Sporting.

A saída dos dirigentes aconteceu na sequência da contestação dos sócios aos pontos seis e sete da ordem de trabalhos, relativos à alteração dos estatutos do clube e ao regulamento disciplinar. Ao abandonar a reunião, Bruno de Carvalho ameaçou os presentes com uma possível demissão.

O dirigente máximo leonino ausentou-se da sessão magna, acompanhado por seguranças e elementos do Conselho Diretivo (CD), garantindo aos sócios que iria reunir-se com o CD no domingo ou na segunda-feira.

Imagens da Assembleia-Geral divulgadas pelo jornal "O Jogo" retratam o presidente do Sporting a afirmar que a extinção do Conselho Leonino (CL), que é uma das alterações estatutárias que pretende introduzir, fazia parte do programa que apresentou e que foi votado por 90% dos sócios na mais concorrida eleição da história do clube.

"Foram as eleições mais votadas da história do clube, aprovaram o que estava no programa, que era acabar com o CL, ponto! Qual é a celeuma?! Leram o programa ou não leram o programa?! Era por eu ser bonito? Votaram em mim por ser bonito? É do programa, meus amigos. Está lá!", disse em tom exaltado.

Ao ser assobiado e vaiado, Bruno de Carvalho foi categórico: "Segunda-feira, não precisam de ter mais discussões, está deliberado, o Conselho Diretivo vai reunir-se para decidir se se demite ou não!"

Marta Soares diz que Assembleia foi das mais concorridas "da era Bruno de Carvalho"

PUB

Entretanto, Jaime Marta Soares, presidente da mesa da assembleia geral do Sporting, esclareceu os incidentes que marcaram a assembleia do clube leonino.

"Acho que esta foi uma das assembleias mais concorridas de sempre da era Bruno de Carvalho. Estiveram presentes cerca de 800 associados, os quais, depois de tudo somado, corresponderam a cerca de cinco mil votos. Dos oito pontos em discussão, seis foram aprovados, ficando só dois por aprovar", referiu Jaime Marta Soares.

O presidente da mesa da AG leonina adiantou que "faltou um pouco de calma para se discutir os pontos mais controversos. E dessa falta de calma resultou uma discussão mais acalorada, mas sem se ultrapassarem os limites do bom senso", salientou, defendendo que o termo "abandono" é muito "forte" para descrever a saída de Bruno de Carvalho.

"Dizer que Bruno de Carvalho abandonou a AG é um termo muito forte. Eu sei porque entendem que abandonou, mas saiu naturalmente da sala. Não havia a calma suficiente e atingiu alguns desrespeitos que as pessoas não aceitam muito bem. O presidente entendeu, com o Conselho Diretivo, sair naturalmente como outro sairia", concluiu.

Face à suspensão desta reunião magna do clube, terá de ser convocada nova Assembleia para se discutirem os dois pontos da ordem de trabalho que ficaram por votar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG