Sporting

Bruno de Carvalho revela que Jovane chegou graças ao Batuque FC

Bruno de Carvalho revela que Jovane chegou graças ao Batuque FC

Frederico Varandas, presidente do Sporting, revelou na sexta-feira um acordo entre os leões e o Batuque FC, clube de Cabo Verde, e Bruno de Carvalho explicou este sábado, ao JN, os contornos do negócio, revelando também que Jovane Cabral chegou a Alvalade ao abrigo dessa parceria.

"Ontem passou-me, no meio do mal ambiente ali criado. O Batuque existe e pagámos 330 mil euros. Só que, por exemplo, ao abrigo desse protocolo veio um menino que vai valer milhões e que se chama Jovane Cabral. O protocolo era fazerem-nos o scouting em Cabo Verde", começou por explicar ao JN o antigo dirigente máximo verde e branco, deixando uma questão no ar: "Agora pergunto, olhando só para o Jovane, não compensou?".

Ainda sobre a formação africana, salientou que "a única coisa que o Sporting tem de fazer é pedir os relatórios em falta". "O clube existe, não é falso", vincou Bruno de Carvalho.

Outro tema que ficou por falar foi o contrato de merchandising celebrado com a Xau Lda. "Não sei dizer nada. Se tivesse a documentação comigo, podia dizer alguma coisa. Eram tantos, tantos fornecedores, que não faço a mínima ideia. Mas no ano passado, enquanto eu lá estava, houve a comemoração dos 40 anos da ida do Sporting à China. Poderá ser derivado daí, talvez", referiu o ex-presidente dos leões.

Bruno de Carvalho esclareceu ainda os contornos de outros negócios, sexta-feira, após a conferência de Imprensa na qual Frederico Varandas levantou o véu sobre alguns dos pontos da auditoria que não estão bem claros:

Fredy Montero - "Como foi o negócio? A proposta era, de facto, de sete milhões de euros. Mas o Barcos, por coincidência, vinha do mesmo clube e custava dois milhões. Uma parte do passe do Montero era do Seattle Sounders e o Sporting ia pagar essa verba à MLS. O que se fez para tornar o negócio mais eficaz e eficiente? Fez cinco milhões por Montero e zero pelo Barcos. Se virem a comissão do negócio, são 350 mil euros, que são a percentagem referente a sete milhões".

Alan Ruiz - "O Varandas diz que se deviam 3,9 milhões, mas é mentira. O negócio era de 4,8 milhões. A intervenção sem autorização do Sporting, de Jorge Jesus, que dizia que era este jogador e mais 10, ligando para o jogador, para o pai e para o agente, fez com que ganhassem um poder negocial tremendo. E o que aconteceu? O Alan Ruiz pediu um prémio de assinatura à volta de 2,2 milhões e os agentes pediram comissão. Quando fomos ver o negócio passou para quase 8,5 milhões. Devido à intervenção do Jorge, porque em termos do clube, ficava nos 4,8 milhões".

Bruno César - "O Jorge queria o jogador, foi-me apresentado com o custo de um milhão. Quando fui ver era um milhão limpo em prémio de assinatura, custo efetivo de dois milhões. Virei-me e disse que não queria o jogador por esse valor. Pedi ao meu pessoal para arranjar uma fórmula legal eficaz e eficiente, para que o negócio se pudesse fechar rondando os números que me tinham dado. O que aconteceu é que me trouxeram o negócio, não como prémio de assinatura, mas sim como comissão, que é uma fatura. Só se paga o que está na fatura e ponto".

MGRA (empresa de advocacia) - "O Alexandro Godinho abandonou logo a empresa em 2013. Em 2017 ou 2018, já não sei ao certo, abriu uma vaga e um dos que concorreu foi o meu ex-sogro e ficou. Não vejo nada de mal. No que toca respeito aos serviços dele, não era como disse o Varandas, apenas falar com o presidente. Não. Ficaram com toda a parte fiscal e com toda a parte do processo contra antigos dirigentes".

Outros Artigos Recomendados